MPF-RJ pede que Furnas adie operações de hidrelétrica

Usina de Simplício faz parte do PAC; MPF quer evitar possíveis danos ambientais por conta do projeto

Nicola Pamplona, da Agência Estado,

30 de julho de 2010 | 17h16

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou que Furnas adie o início das operações da hidrelétrica de Simplício, no município de Sapucaia (RJ), que faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Por meio de sua representação em Petrópolis, na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, o MPF decidiu adotar ações para evitar possíveis danos ambientais por conta do projeto.

Um deles é pedir o adiamento do represamento do rio, previsto para o dia 15 de setembro, até que seja construído um sistema de esgoto em regiões que terão a vazão d''água reduzida após a conclusão da obra da usina. Segundo nota divulgada hoje pelo MPF, essas obras de saneamento só ficarão prontas em dezembro de 2011. Além disso, uma segunda ação pede a elaboração de um plano de contingência para remediar possíveis problemas de qualidade de água no rio.

As recomendações foram feitas pela procuradora da República Vanessa Seguezzi "com base em estudos do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Rio de Janeiro (Crea/RJ) e pareceres técnicos de peritos ambientais do MPF, Ibama e Instituto Estadual do Ambiente (Inea)". Furnas terá até segunda-feira para responder se acatará as recomendações do MPF. Em caso de negativa, os procuradores envolvidos podem optar uma ação judicial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.