MST libera ferrovia no PA; trens voltam a circular

Integrantes do Movimento dosTrabalhadores Rurais Sem Terra desocuparam nesta tarde aFerrovia de Carajás, por onde é transportado o minério de ferroda principal mina do país no Pará para o porto de São Luis, noMaranhão, de propriedade da Vale, informou a assessoria damineradora. A empresa informou, no entanto, que após a desocupação daferrovia membros do MST invadiram o escritório da mineradora emBelém, capital do Pará. A ocupação, feita por cerca de 100 integrantes do MST porvolta das 16h, segundo a assessoria da Vale, durou apenas 15minutos e terminou sem violência, apesar da presença da políciaem volta do prédio. A invasão da ferrovia de Carajás, a nona em 13 meses,ocorreu nesta manhã para marcar o 12o aniversário da morte de19 trabalhadores rurais sem terra na cidade de Eldorado dosCarajás e faz parte de uma série de protestos que estãoocorrendo em todo país. As operações da ferrovia que transporta 300 mil toneladasdiárias de minério de ferro e outros produtos, além de 1.300passageiros, deverão ser retomadas ainda nesta quinta-feira,informou a Vale. A ferrovia tem 892 quilômetros de extensão e a invasãoocorreu entre as cidades de Parauapeba e Marabá. (Reportagem de Denise Luna)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.