MST não entrou nas usinas da Cesp no Rio Paraná

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) não chegou a entrar no interior da Usina Sergio Motta, no Rio Paraná, assim como 500 ativistas, pertencentes ao Movimento dos Atingidos pelas Barragens (MAB), não adentraram na Usina de Jupiá, também no Rio Paraná. Eles protestam contra a privatização da Companhia Energética de São Paulo (Cesp).Segundo a Cesp, os manifestantes ficaram na área pública das usinas, e o trabalho "não foi prejudicado". A Cesp informou ainda que as hidrelétricas onde ocorreram manifestações não sofreram problema algum.Os manifestantes já saíram do local e se dirigiram para o município de Rosana, localizado no Pontal do Paranapanema, no Oeste do Estado de São Paulo, onde ocorre uma manifestação contra a privatização da companhia de energia elétrica Cesp, cujo leilão está marcado para a próxima quarta-feira (dia 26), na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).A Cesp é responsável por 60% da energia gerada no Estado de São Paulo e é a terceira maior do país. A empresa possui seis usinas hidrelétricas nos Rios Paraná, Tietê, Paraíba do Sul, Paraibuna e Jaguari. O valor estimado da companhia é de R$ 12 bilhões, no entanto, o valor mínimo no leilão será de R$ 6 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.