FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

bolha

Paulo Bilyk: "Quem está comprado em 4 ou 5 ações corre risco grande de perder tudo"

Mudança no CMN não afeta equilíbrio de forças para decisões, diz Gustavo Franco

Para ex-presidente do BC, maioria de votos do Ministério da Economia não mudará situação do colegiado

Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

02 de janeiro de 2019 | 15h02

O ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco afirmou hoje que a mudança na composição do Conselho Monetário Nacional (CMN) não afetará o equilíbrio de forças nas decisões do colegiado. 

Na nova formação do Conselho definida pelo governo de Jair Bolsonaro, terão poder de voto no CMN o ministro da Economia e o Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia, além do presidente do Banco Central. "Lembro que, na Medida Provisória do Plano Real, tínhamos previsão de dois representantes do CMN – Fazenda e Banco Central –, mas a Casa Civil entendeu que tinha que ter no mínimo três", disse Franco ao chegar para a cerimônia de transmissão de cargo para o ministro da Economia, Paulo Guedes.

O ex-presidente do BC afirmou ainda aguardar com grande expectativa o discurso que será feito hoje pelo novo ministro Paulo Guedes, em busca principalmente de sinais em relação à qual será a proposta da Reforma da Previdência. "Seguramente, deve ser algo mais ambicioso (do que o texto atualmente no Congresso)", disse Franco.

Gustavo Franco disse também que o ambiente de inflação baixa está favorável à manutenção da política monetária pelo BC e que, se houver endereçamento do problema fiscal do País, haverá mais chance de uma queda de juros do que de aumento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.