finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mudança nos EUA não atrapalhará investimentos no Brasil, diz Coutinho

Presidente do BNDES diz que essa reversão dos fluxos de capital mais especulativo é saudável para os emergentes

Altamiro Silva Júnior, enviado especial da Agência Estado,

11 de outubro de 2013 | 13h45

WASHINGTON - A mudança da política monetária dos Estados Unidos não deve comprometer o financiamento do investimento no Brasil, avalia o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho. "A reversão está ocorrendo nos recursos de curto prazo. Esse hot money não vem para o investimento de longo prazo", disse. Coutinho participou, nesta sexta-feira, 11, de mesa redonda no encontro anual do Institute of International Finance (IIF), formado por bancos mundiais.

Na avaliação do presidente do BNDES, essa reversão dos fluxos de capital mais especulativo acaba tendo efeito mais saudável para os países emergentes. "Tira a pressão que apreciava a taxa de câmbio", disse, destacando que os países com déficits maiores em conta corrente acabaram sendo aqueles com maior desvalorização das moedas.

A liquidez mundial, afirmou Coutinho, vai caminhar para níveis mais normais, em um cenário onde o crescimento mundial será mais balanceado e a China não vai provocar altas demasiadas nos preços internacionais das commodities. No caso do Brasil, a taxa de câmbio ficou mais favorável para apoiar a expansão das exportações.

"Estamos em um momento de transição importante, tem mais volatilidade, mas acredito que a volatilidade será cadente e os ajustes que virão serão mais saudáveis que os ajustes anteriores", concluiu o presidente do BNDES.

Tudo o que sabemos sobre:
bndes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.