Marcos Müller/Estadão
Marcos Müller/Estadão
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mudança traz mudança

Revolução digital, indústria 4.0, aumento na expectativa de vida e outras mudanças acontecem ao mesmo tempo e com intensidade, mas os padrões de medida e avaliação continuam os mesmos

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2019 | 21h00

Uma coisa são as mudanças tão intensas e tão abrangentes, como as que estamos vivendo em todo o mundo. E outra, bem diferente, é a percepção dessas mudanças. Isso lembra a história do sapo que salta imediatamente quando colocado em contato com água fervente, mas não sente o calor se o aquecimento acontece lentamente com ele dentro da panela.

A revolução digital, a indústria 4.0, o forte aumento da expectativa de vida, a metamorfose do emprego, o aquecimento do planeta... Tudo isso acontece ao mesmo tempo e com grande intensidade. No entanto, os padrões de medida e de avaliação continuam os mesmos, como se continuassem servindo para a realidade mutante.

Se, por exemplo, o emprego tal como conhecido até agora está se transformando e se as pessoas estão sendo cada vez mais obrigadas a garantir sua renda por meio de ocupação autônoma, por que seguir medindo o desemprego da maneira convencional?

Há duas semanas, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, argumentava que o projeto de criação do regime de capitalização da Previdência Social tal como redigido era inaceitável porque, entre outras razões, não previa a contribuição do empregador para a conta do beneficiário. Claro, é bem melhor contar com a contribuição da empresa. Mas, se o mundo caminha para uma economia de serviços em que predomina a ocupação por conta própria, por que insistir na contribuição da empresa e não prever o que acontecerá provavelmente com a maioria, que não terá seu ganha-pão e contribuições adicionais para a aposentadoria por meio de um contrato formal de trabalho?

Nesta terça-feira, o Estado publicou reportagem de Márcia De Chiara, que mostrou a enorme transformação pela qual vão passando os shopping centers. Cada vez mais o consumidor recorrerá às compras online. As lojas estão se transformando em showrooms, o fluxo de mercadorias já não obedece o trajeto anterior, mas passam a ser entregues a partir de centros de logística, muitas vezes localizados em outros municípios.

Essa pequena mudança implica outras transformações. Uma delas é no campo do emprego. A maior categoria de trabalhadores no Brasil, a dos comerciários, está sendo esvaziada. As lojas precisam cada vez menos de vendedores e podem substituí-los por menor número de consultores, encarregados de orientar o consumidor sobre a melhor escolha. Também o faturamento dos shoppings tende a cair porque as encomendas passam a ser feitas pela internet e isso reduzirá seu fluxo de caixa.

Na área da tributação, a coisa fica até mais complexa porque já não se sabe em que municípios acontece a compra. Por exemplo, o consumidor pode acionar uma operação por meio de um celular que, por sua vez, cai num centro de distribuição de outra cidade para uma mercadoria a ser entregue em endereço de outro município.

Se o objeto do comércio é um serviço, como um software, um texto, uma avaliação clínica, que pode ser gerado em outro país e determinar um lançamento de débito em cartão de crédito, já não se sabe que instituição pública tributará quem, como e em que localidade, e sob quais regras.

Enfim, os hábitos vão mudando. Na área do emprego, o trabalhador vai se dando conta de que não está preparado para executar as novas funções exigidas. Isso mostra quanto a educação e o ensino estão atrasados.

Confira

Mais confiança

O gráfico mostra como evoluiu o CDS5 nestes 100 primeiros dias de governo Bolsonaro. Ao contrário do que aconteceu com os índices de aprovação do presidente Bolsonaro, que despencaram, o CDS5 mostra que o mercado financeiro aumentou sua confiança na administração da economia.

O CDS5 é o índice que aponta quanto de remuneração o investidor exige acima do principal título dos Estados Unidos para ficar com o título de 5 anos do Brasil. Quanto menor essa exigência, maior a confiança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.