finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mudanças atingirão quem ganha menos

Uma alteração do cálculo do Imposto de Renda (IR) de pessoas físicas que mantenha o limite de isenção em R$ 900,00 e reduza as alíquotas atuais, mas elimine as deduções com dependentes, contribuição ao Imposto Nacional do Seguro Social (INSS) e despesas médicas e com educação, implicará aumento de tributo para quem tem salário menor e redução para quem recebe mais. Essas mudanças vêm sendo estudadas pelo secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, e técnicos da secretaria.A adoção de alíquota única de 7,7% elevará o imposto anual de quem recebe até R$ 1.861,00 por mês, ou R$ 22.332,00 por ano, e reduzirá o de quem ganha acima disso. Se a alíquota única for de 10%, sofrerá aumento de tributação anual quem recebe até R$ 2.278,00 por mês, ou R$ 27.336,00 por ano, e redução quem tem renda superior. A conclusão é da ASPR Auditoria e Consultoria, em estudo feito pelos consultores Ary Silveira Bueno e Paulo Rogério Magri.Situação pode ficar pior para quem ganha menos Na hipótese de o governo decidir reduzir o limite de isenção para cerca de R$ 500,00, eliminar as deduções e adotar alíquota única de 7,7%, a situação fica ainda pior para quem recebe menos. Aí, o assalariado com renda mensal de R$ 1.500,00 pagará imposto anual de R$ 924,00, o que representa 5,13% de seu rendimento anual e aumento da carga tributária de 87,41%. Nesse mesmo cenário, o assalariado com renda mensal de R$ 5 mil pagará imposto anual de R$ 4.158,00, o que equivale a 6,93% do rendimento anual e redução da carga tributária de 56,89%.

Agencia Estado,

27 de outubro de 2000 | 13h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.