Mudanças na Lei do Petróleo não mexem com atuais operações

Mudança no marco regulatório do setor de petróleo não atingirá os campos já licitados, incluindo Tupi

Tatiana Freitas, da Agência Estado,

13 de agosto de 2008 | 16h34

Executivos da Petrobras voltaram a garantir nesta quarta-feira, 13, durante teleconferência com analistas, que a possível mudança no marco regulatório do setor de petróleo não atingirá os campos já licitados, incluindo o bloco de Tupi, cujas reservas estão estimadas entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris. Ao falar a analistas de bancos estrangeiros, o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Petrobras, Almir Guilherme Barbassa, afirmou que as operações da companhia não são afetadas pelo debate que cresce no País a respeito de mudanças na Lei do Petróleo.   Veja também: Entenda as discussões sobre as mudanças na Lei do Petróleo Lula diz que petróleo da área pré-sal é do povo Acionistas da Petrobras ameaçam ir à Justiça contra 'Petrosal' País pode ter o terceiro maior campo de petróleo do mundo A maior jazida de petróleo do País    "Essa discussão não afeta o que estamos fazendo. E, neste momento, estamos terminando o programa mínimo de exploração do cluster de Tupi e coletando as informações necessárias para continuar as nossas operações na região", disse.   Ao mesmo tempo, Barbassa esclareceu que, de acordo com a Constituição brasileira, o governo tem o controle das reservas de óleo e que, considerando a possibilidade de mudanças na legislação, existem várias possibilidades para a participação do governo na atividade de exploração.   "Nós estamos esperando para ver o que vai acontecer", disse o executivo, citando a criação do comitê executivo criado pelo Governo Federal, composto por membros de diferentes ministérios, para debater uma possível adequação da lei do petróleo à região do pré-sal.

Tudo o que sabemos sobre:
Lei do PetróleoPetróleoPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.