Mudanças no governo não devem afetar rating, diz Moody´s

O vice-presidente sênior da Moody´s, Mauro Leos, garantiu que as mudanças no governo ocorridas esta semana não devem afetar a percepção do rating (avaliação e a classificação de ativos, fundos de investimento, empresas ou mesmo países, com base principalmente no critério de risco, feitas por companhia independente) do Brasil. Segundo ele, a percepção sobre os fundamentos da economia continua a mesma, com perspectiva positiva. A nota da dívida externa do Brasil pela Moody´s é hoje "Ba3", três degraus abaixo do grau de investimento. Leos disse acreditar que o novo ministro da Fazenda, Guido Mantega, manterá a política econômica de Antonio Palocci, apesar das várias críticas que foram feitas por ele antes de assumir a Fazenda. "Não estamos considerando críticas anteriores de Mantega", assegurou o executivo, que está no Brasil para participar do encontro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O vice-presidente da Moody´s também confia na manutenção da política monetária e na trajetória de corte de juros, uma vez que o presidente Henrique Meirelles afirmou que continuará no comando do Banco Central. "A inflação está baixa e enquanto a expectativa é de continuar com os cortes de juros, o efeito é positivo", disse. Sobre o cenário externo e a possibilidade de os Estados Unidos crescerem mais do que o esperado, conforme alertou o comunicado do Federal Reserve na última reunião, na qual os juros dos País voltaram a subir, Leos se mostrou mais uma vez positivo. "O crescimento dos Estados Unidos também é bom para os emergentes", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.