Mujica tem agenda com Dilma e inaugura parque eólico

Antes de se despedir do cargo e dar fim a uma era de cinco anos em que apoiou leis progressistas, governou com um estilo pautado pela informalidade e se transformou em estrela internacional, o presidente do Uruguai, José Mujica, cumpre sua última agenda pública neste sábado, dia 28, em evento ao lado da presidente Dilma Rousseff. Os dois inaugurarão o parque eólico de Artilleros, o primeiro empreendimento da Eletrobras a gerar energia no exterior. O evento está marcado para as 12h15 no horário de Brasília (13h15 no horário local).

RAFAEL MORAES MOURA, Estadão Conteúdo

28 Fevereiro 2015 | 11h21

O investimento do projeto é de US$ 103 milhões, dos quais US$ 23,5 milhões foram bancados pela Eletrobras - a estatal uruguaia UTE e a Corporación Andina de Fomento também participaram do financiamento. Desde dezembro de 2014, o parque está em operação.

Embora a energia gerada pelo parque seja destinada ao sistema elétrico do Uruguai, a Eletrobras ressalta que o aumento da capacidade instalada naquele país "possibilitará a geração de excedentes de energia que poderiam ser intercambiados com o sistema elétrico brasileiro".

Segundo a Eletrobras, a interconexão elétrica existente entre os dois países permite atualmente um intercâmbio de até 70 MW. Com a conclusão de uma nova linha de transmissão entre Brasil e Uruguai, prevista para o primeiro semestre, o intercâmbio poderá ser aumentado em 500 MW, informou a empresa.

Almoço

Depois da inauguração do parque eólico, Dilma e Mujica se deslocam para a residência oficial de Anchorena, onde deverão fazer uma declaração à imprensa, por volta de 15h40 no horário de Brasília.

Segundo o Broadcast Político apurou, a intenção inicial das autoridades uruguaias era de que fosse realizada uma coletiva de imprensa hoje à tarde, mas emissários do Planalto teriam preferido o formato de uma curta declaração à imprensa, sem a intervenção de jornalistas na fala de Dilma Rousseff.

Mais conteúdo sobre:
Uruguai Mujica Dilma Eletrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.