Mulher brasileira avança em cargos de chefia, diz estudo

A edição 2008 do estudo "Melhores Empresas para Trabalhar - Brasil", elaborado pela consultoria internacional Great Place to Work, mostrou um aumento na participação de mulheres nos postos de trabalho nas 100 melhores empresas. Em 2007, as mulheres ocupavam 44% das vagas, sendo que 32% dessas profissionais atuavam em cargos de liderança - índice que no ano de 1997 era de apenas 11%. O estudo foi divulgado hoje em referência ao Dia Internacional da Mulher (8 de março).A publicação destaca que a ascensão das mulheres no ambiente corporativo brasileiro tem tido um crescimento gradual e consistente nas melhores empresas instaladas no País. A pesquisa mostra que em 2006 a ocupação feminina no ambiente corporativo era de 38%, dos quais 31% equivalentes a postos de chefia.A título de comparação, ao analisar o ambiente corporativo no México, a consultoria Great Place to Work aponta que o índice de participação feminina nas 100 melhores empresas daquele país estava em 41% no ano passado - 16% dos cargos de direção e 31% de gerência.Em contraponto, a edição 2008 da pesquisa "Melhores Empresas para Trabalhar - Estados Unidos", publicada pela revista Fortune, apontou que as mulheres ocupam 49% dos postos de trabalho nas 100 melhores e, em 38% dessas empresas, representam a maioria dos funcionários. No que diz respeito a cargos de chefia, 42% das melhores empresas norte-americanas dispõem de mulheres ocupando posições estratégicas. No Google, empresa que ocupa o primeiro lugar na lista norte-americana do Great Place to Work, 33% dos funcionários são mulheres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.