finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mulheres estão menos confiantes na condução da economia

As mulheres, da mesma forma que os consumidores com renda superior a 10 salários mínimos, estão mais atentas aos efeitos que a crise política poderá exercer sobre a economia. Segundo o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) de julho, calculado pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), a confiança das mulheres na condução da política econômica caiu 4,2%, com o índice estabelecido por elas tendo situado nos 130,4 pontos numa escala de 0 a 200. Na mesma medição, a confiança dos homens cresceu 5,2%, atingindo 136,6 pontos.De acordo com a Assessoria Econômica da Fecomercio, a diferença se explica pelo fato de as mulheres reagirem com mais intensidade aos fatores internos, como os escândalos políticos e os possíveis efeitos disso para a economia e sua família, enquanto os homens são mais sensíveis às instabilidades internacionais.Na divisão por idade, o ICC apresentou queda de 1,8% para os consumidores com menos de 35 anos, enquanto para a faixa acima dessa houve alta de 3,6%.

Agencia Estado,

19 de julho de 2005 | 14h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.