Rodolfo Magalhães
Rodolfo Magalhães

Mulheres lideram entre celebridades mais influentes

Ranking da Ipsos mostra muitas mudanças em relação à edição anterior – e um ‘top 5’ totalmente feminino, liderado por Iza

Lílian Cunha, Especial para o Estadão

30 de agosto de 2021 | 05h00

Dois anos e uma pandemia podem mudar muita coisa – até admiração que as pessoas nutrem pelas celebridades. É o que mostra a terceira edição do estudo “Most Influential Celebrities” (Celebridades mais influentes), feito pela empresa Ipsos, de pesquisa de mercado.

Dos mais influentes de 2019 – um grupo que incluía o jornalista Evaristo Costa, o ator Paulo Gustavo (que morreu em maio), a cantora Ivete Sangalo e as atrizes Paola Oliveira e Juliana Paes –, só a compositora baiana continuou no ranking. Desta vez, a cantora Iza aparece na liderança, seguida pela modelo Gisele Bündchen, Ivete, Juliette Freire (vencedora do Big Brother Brasil 21) e, na quinta posição, a atriz global Jéssica Ellen

A pesquisa da Ipsos realizou 6 mil entrevistas na primeira semana de julho, com 2 mil pessoas maiores de 16 anos, pela internet. “Passamos de um ranking liderado por homens – e majoritariamente branco – para um no qual figuram só mulheres, duas negras, duas nordestinas e uma conhecida por defender a pauta da sustentabilidade”, diz Cíntia Lin, diretora da área de pesquisas em comunicação da Ipsos no Brasil. “Isso mostra o quanto nesses dois anos as pessoas mudaram, o quanto o olhar do consumidor evoluiu”, diz a executiva.

As marcas adoram pegar carona na fama e nas características das celebridades. É como se o famoso abrisse as portas da casa do consumidor para a marca. Mas a admiração das pessoas pelos famosos muda toda hora. É por isso que grandes anunciantes encomendam esse tipo de pesquisa. E num período em que a vida das pessoas se transformou drasticamente por conta da pandemia, o levantamento ganha ainda mais importância.

Na edição anterior, por exemplo, figuras da TV e principalmente das novelas eram as mais admiradas. Agora, ganha destaque quem se posiciona mais nas redes sociais, principalmente no YouTube – canal pelo qual, segundo a Ipsos, 74% das pessoas seguem as celebridades. Em seguida, vêm o Instagram (66%), o Facebook (54%) e o Tik Tok (46%); a TV aberta aparece com 39%.

A queda do primeiro colocado de 2019, Evaristo Costa, ilustra bem essa mudança de meio: agora, ele está na 15ª posição. “Geralmente, quem está aparecendo na TV no momento ganha muita influência. Mas, como a maior parte das novelas nesse período eram repetidas, conquistaram mais espaço as personalidades da internet e também as dos reality shows.” 

Efeito ‘BBB’

O BBB, no entanto, teve um papel fundamental nesta edição. Como diz o próprio nome, esse gênero mostra a realidade da pessoa, sem filtros. Diferentemente das redes, onde o famoso faz pose e edita fotos, no reality conflitos aparecem. É por isso que, entre as pessoas “menos influentes” do ranking (que avaliou 200 nomes), estão, em primeiro lugar, a cantora Karol Conká, seguida do rapper Projota, do ator Fiuk e do cantor Rodolffo – todos do BBB 21. 

“O Fiuk, por exemplo, se vitimizou muito no BBB”, diz a especialista. E isso vai contra dois dos atributos que as pessoas mais amam nas celebridades: o sucesso e a autenticidade. Alegria, carisma e a confiança também contam muito. Já Karol Conká fomentou a cultura do cancelamento e saiu muito rejeitada. Foi contra os atributos de alegria e autenticidade. Outra pessoa que também não figurou bem no ranking desta vez foi a atriz Juliana Paes. Tombou do 5º lugar, em 2019, para o 47º. 

Por isso, o comportamento dos famosos na pandemia também foi levado em conta na avaliação dos atributos de cada influenciador. Contaram quesitos como solidariedade e empatia, nos quais se destacaram o humorista e youtuber Whindersson Nunes e a apresentadora Ana Maria Braga, além de Iza.

“Nunca imaginei que eu estivesse presente em uma pesquisa como essa, e me sinto muito honrada de verdade”, diz Iza. “Em tempos de pandemia, quando todo mundo começa a se questionar se está tudo bem e se estamos no caminho certo, receber esse tipo de validação é um impulso muito grande”, afirma a cantora.

Iza já fez propaganda para várias marcas. Seus contratos vigentes incluem Universidade Anhanguera, PicPay, Garnier, Tim, Devassa, Smirnoff, Olympikus, Risqué e Valisere. “A Iza é uma artista que fala com diferentes públicos, independentemente de faixa etária e classe social”, diz o empresário da cantora, Rafael Rossatto

Já a veterana do ranking, Ivete Sangalo, tem contratos com Britânia, pilhas Panasonic, Vivo, Huawei, Plié, Piracanjuba, Perdigão, Gerovital, Ali Express, Neutrox e Wella. “A forma espontânea com que Ivete leva a vida, nas mais diversas circunstâncias, a torna mais próxima ainda das pessoas”, diz Fábio Almeida, empresário da cantora e sócio-diretor da Iessi, empresa que ele tem junto com Ivete. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.