Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mulheres têm 13% das vagas

Trabalhar no Atlântico Sul já virou símbolo de status

, O Estadao de S.Paulo

23 de maio de 2009 | 00h00

As mulheres conseguiram uma parte, 13%, das vagas da área industrial do Estaleiro Atlântico Sul. "Arrisquei, larguei a loja onde trabalhava como vendedora, sem carteira assinada, e me inscrevi", conta Tatiane Maria da Silva Santos, 21 anos, pintora de petroleiro em fase de treinamento. "Não quis perder a oportunidade de crescer", acrescenta ela, que, como todos os funcionários, passou primeiro por um reforço escolar, depois por um curso no Senai e, finalmente, pelo Centro de Treinamento do estaleiro, para, enfim, assumir a função. O trabalho, de segunda a sexta-feira, vai das 7h30 às 17h30, com 1h15 de almoço.Tatiane já tinha curso médio e aproveita a noite para fazer um curso técnico de operações logística. Em seguida, vai tentar a faculdade de administração. "É cansativo, mas quero me qualificar para tirar o máximo proveito do que a empresa pode oferecer", diz.Joádia Kele Xavier de França, 26 anos, está em fase de qualificação como soldadora. Identificada com a profissão, ela diz sentir orgulho em trabalhar no Atlântico Sul. "Nunca teve um indústria tão grande que tenha empregado tanta gente da terra", comenta.Trabalhar no estaleiro já dá status, segundo ela. Entre os amigos é comum a brincadeira baseada num humorístico televisivo. "Trabalha no estaleiro? Então, poooode."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.