Multibrás fecha fábrica de fogões e demite 450 em São Paulo

A Whirlpool, fabricante de eletrodomésticos das marcas Brastemp e Cônsul, anunciou nesta segunda-feira o fechamento de sua fábrica do Jardim Santa Efigênia, na região sudeste da capital paulista, e a transferência de sua produção de fogões para a unidade de Rio Claro, interior do Estado. Dos 600 funcionários que trabalham na fábrica de São Paulo, a empresa tem planos de demitir 450 e de transferir os demais para Rio Claro.A empresa alega que o motivo da mudança é a busca de eficiência e ganho de competitividade por meio redução de custos com melhor aproveitamento de seu parque fabril. Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Mogi das Cruzes e Região, Eleno Bezerra, a perda de 30% das exportações de fogões para a Argentina, por causa das restrições impostas pelo país vizinho, foi o principal motivo para a empresa transferir a fábrica. Além disso, a desvalorização do dólar frente ao real levou a empresa a exportar com prejuízos. Outro motivo são os custos menores na fábrica de Rio Claro.A Whirlpool informou que deverá contratar 450 novos funcionários em Rio Claro, além de receber os 150 que trabalhavam na fábrica de São Paulo, que foi desativada nesta segunda. A empresa oferece pagar benefício de meio salário por ano trabalhado até um teto de R$ 5.000 aos demitidos, além de todos os direitos trabalhistas. Em assembléia realizada nesta tarde, os trabalhadores decidiram rejeitar a proposta e ocupar a fábrica. "Tivemos uma reunião ruim com a empresa. Sentamos para negociar a permanência da produção na capital paulista e a empresa disse que isso não será discutido. Ocupamos a empresa hoje (segunda) e só sairemos quando houver um entendimento", afirmou Bezerra. Os trabalhadores exigem que a empresa pague um salário por ano trabalhado, sem um teto, além da concessão de cesta básica e seguro-saúde pelos próximos 12 meses e 200 horas de cursos profissionalizantes para os demitidos. Querem ainda garantia de emprego de um ano para os que forem transferidos para Rio Claro. Está prevista para esta terça-feira uma reunião de negociação entre a diretoria da empresa e o sindicato dos trabalhadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.