Fabrice Coffrini/AFP
Fabrice Coffrini/AFP

Multilateralismo é a resposta a problemas globais, diz secretário-geral das Nações Unidas

António Guterres defendeu, em Davos, níveis de articulação mais amplos que os proporcionados, de forma separada,  por entidades como o FMI e a OMC

Rolf  Kuntz, enviado especial, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2019 | 17h02

DAVOS - O secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, defendeu o multilateralismo como a forma de ação mais eficiente para resolver os desafios globais. Respostas fragmentadas, as mais comuns, são insuficientes para problemas cada vez mais integrados, afirmou.  Problemas econômicos, como tensões comerciais e insegurança financeira, são inter-relacionados, mas normalmente se tenta enfrentá-los com ações isoladas e sem coordenação. 

"Sou um multilateralista", definiu-se Guterres, ao defender níveis de articulação ainda mais amplos que os proporcionados, de forma separada,  por entidades como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização Mundial do Comércio (OMC).  O secretário-geral da ONU discursou nesta quinta-feira, 24, no Fórum Econômico Mundial, em Davos. Riscos integrados foram um tema repetido em várias discussões, desde o começo da semana,  e têm sido mencionados em cenários prospectivos de 2019. 

Posições parecidas com a de Guterres têm sido sustentadas por vários participantes dos debates em Davos, mas o multilateralismo tem sido rejeitado pelo presidente Donald Trump, por seu seguidor Jair Bolsonaro, chefes de governo da maior potência econômica do mundo e da maior da América Latina. Líderes nacionalistas e populistas eleitos nos últimos anos em vários países, alguns da Europa, têm exibido tendências semelhantes. 

Incertezas políticas e econômicas têm sido com frequência os fatores vinculantes de problemas econômicos e financeiros. Três dias antes da fala de Guterres, o tema havia sido explorado, numa entrevista coletiva, pela diretora gerente do FMI, Christine Lagarde, e pela nova economista-chefe da instituição, Gita Gobinath.

Segundo Gita, os efeitos das tensões comerciais sobre os  mercados financeiros são hoje mais intensos que no ano passado. A insegurança quanto às condições do comércio global, derivadas basicamente do conflito entre Estados Unidos e China, têm afetado a confiança de investidores e operadores de Bolsas e de outros segmentos financeiros, com reflexos nos preços de vários ativos e nas condições de crédito. Eventos políticos, como o Brexit e as tensões geopolíticas, também interferem nas expectativas econômicas e na evolução dos negócios, no crescimento econômico e na criação de empregos. 

Ações coordenadas e de grande alcance também são necessárias, segundo o secretário-geral da ONU, para corrigir ou atenuar efeitos negativos da globalização, como a desigualdade entre pessoas, países e regiões. Também são essenciais, acrescentou, para facilitar um acesso generalizado às condições da quarta revolução industrial. A tarefa envolverá também, no interior de cada país, um esforço para recuperação da confiança nas instituições e nos governos como provedores de serviços compatíveis com os impostos pagos pelos cidadãos. 

Governos serão incapazes, insistiu Guterres, de enfrentar sozinhos os grandes problemas. Respostas eficientes só ocorrerão, afirmou, com envolvimento de governos, comunidade empresarial e outros segmentos da sociedade civil e com ampla coordenação internacional.  Este é um requisito difícil num mundo multipolarizado. A Europa era multipolarizada no começo do século passado, lembrou, e no ambiente sem coordenação cresceram as condições geradoras da Primeira Guerra Mundial.

Para Entender

O que você precisa saber sobre o Fórum Econômico Mundial, em Davos

Encontro anual de líderes mundiais acontece na cidade suíça entre 22 e 25 de janeiro, com o objetivo de moldar a agenda futura da globalização

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.