Multinacional de TI terá fábrica em Goiás, diz Pimentel

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, confirmou hoje que existem planos de uma multinacional da área de Tecnologia da Informação (TI) para a construção de uma nova fábrica no Estado de Goiás. Segundo ele, a unidade integrará a cadeia de produção de tablets (computadores em formato de prancheta) e celulares. Pimentel participou hoje do programa "Bom Dia Ministro", na sede da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

EDUARDO RODRIGUES, Agencia Estado

20 de abril de 2011 | 14h54

"Hoje o Brasil não produz um centímetro qualquer de telas planas, seja de LCD, LED ou plasma", disse Pimentel. "Só esse segmento gera importações de US$ 7 bilhões por ano, daí a importância de atrairmos para o País empresas que produzem esses componentes", completou.

Segundo o ministro, a presidente Dilma Rousseff deve anunciar nos próximos dias a formatação final de um programa nacional de formação de técnicos, chamado de Pronatec, para qualificar trabalhadores no País. "Há uma preocupação do governo em qualificar mão de obra para essas fábricas de alta tecnologia que se instalarão no País em um ou dois anos", completou.

Exim-Brasil

O ministro afirmou ainda que o Exim-Brasil deve sair finalmente do papel em maio ou junho deste ano. Segundo ele, o banco de fomento ao comércio exterior já está praticamente pronto, mas ainda depende de uma decisão interna do governo para ser colocado em prática.

"O Exim será uma importante linha para financiar as exportações brasileiras", disse Pimentel. O banco foi anunciado pela primeira vez em maio do ano passado, dentro de um chamado "pacote de apoio aos exportadores". No entanto, quase um ano após o anúncio do governo, a maior parte das medidas ainda não foram implementadas.

Inflação

Pimentel citou ainda sua expectativa pela decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a Selic (a taxa básica de juros da economia), atualmente em 11,75% ao ano. "Espero que o Copom aja com maturidade para conter a inflação, sem prejudicar a economia", disse Pimentel. "Mas agora já falei demais", completou. A decisão do Copom sai hoje, no fim do dia. Pimentel afirmou que ainda não percebeu uma desaceleração da economia brasileira. "A economia está bombando", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.