Mundo atravessa efeitos da mais grave crise desde a 2ª Guerra, diz Dilma

Na abertura oficial da Rio+20, presidente critica modelos de desenvolvimento e afirma que as políticas de ajuste atingem 'as partes mais frágeis da sociedade'

Gustavo Porto e Bianca Ribeiro, da Agência Estado,

20 de junho de 2012 | 17h19

SÃO PAULO - A presidente Dilma Rousseff lembrou, em discurso na abertura oficial da Conferência Rio+20, que a economia mundial enfrenta a mais grave crise desde a 2ª Guerra Mundial e que importantes economias estão em ritmo mais lento, quando não estão em recessão.

A presidente afirmou que as políticas de ajuste atingem "as partes mais frágeis da sociedade" e criticou os modelos de desenvolvimento. "São modelos de desenvolvimento que esgotaram a capacidade de responder aos desafios contemporâneos." 

Dilma cobrou "políticas indutoras de crescimento e emprego" como "a única via segura para o crescimento da economia" e disse estar consciente que "a recuperação para ser estável tem de ser global". Ainda segundo ela, "é forte a tentação de tornar absolutos os interesses nacionais na resolução de crises".

Tudo o que sabemos sobre:
Rio+20crise mundialdilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.