finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mundo não deve pagar por crise da Europa, diz Calderón

Presidente do México afirma que credores terão de assumir perdas nos empréstimos a europeus; para ele, comunidade global não deve arcar com os custos

Agência Estado,

29 de outubro de 2011 | 14h05

O presidente do México, Felipe Calderón, disse, hoje, que credores terão de assumir perdas nos empréstimos a países europeus e que o mundo todo não deve pagar o custo de empréstimos irresponsáveis. "Os credores têm de assumir responsabilidades, e isso significa assumir perdas. A comunidade global não deve arcar com os custos", disse Calderón durante a cúpula ibero-americana realizada na capital do Paraguai. "Quando um país tem dívida igual a 170% do PIB e você continua a emprestar dinheiro a ele, você deve saber que há um risco."

Calderón disse que a Europa deve aprender lições com as crises da dívida da América Latina, que fortaleceram as regras financeiras e fiscais na região. Ele citou o nível de endividamento relativamente baixo da região, em torno de 30% do PIB, na média, em comparação com a de países desenvolvidos, que fica em 100% do PIB ou mais. Calderón disse que o baixo endividamento e grandes reservas em moeda estrangeira "dão a nós a estabilidade para lidar com essa crise".

O presidente mexicano também criticou o papel das instituições financeiras em criar bolhas nos preços das commodities. Ele disse que o aumento na demanda em economias em crescimento na Ásia, como Índia e China, elevou os preços das commodities, beneficiando algumas economias latinas. Ainda assim, os preços dos alimentos e combustíveis causaram distúrbios globais, refletindo nas lutas no Oriente Médio e no norte africano, bem como empobrecendo ainda mais aqueles que não conseguem arcar com os preços mais altos.

Calderón disse que há uma década as instituições financeiras representavam menos de 10% das compras de commodities, enquanto agora elas são mais de 40%. Os baixos juros nos países desenvolvidos levaram investidores a fontes alternativas de retornos, mas isso criou uma bolha que pode explodir. A inflação dos preços "aumentou os lucros de alguns países", apontou o presidente, "mas cria uma bolha e os anos de vacas gordas podem terminar abruptamente." As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EuropacriseCalderón

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.