JF DIORIO/ESTADÃO
JF DIORIO/ESTADÃO

'Mundo requer escuta, não adianta dar ordem', diz FHC sobre greve

Ex-presidente afirmou que a situação não vai se resolver com autoritarismo, mas não respondeu se acha que o governo errou ao tentar administrar crise

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

28 Maio 2018 | 13h50

No dia em que a greve dos caminhoneiros entra no oitavo dia, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que a situação exige "escuta" e que as coisas não se resolvem com autoritarismo. Durante palestra na capital paulista sobre o modelo de Organizações Sociais, o tucano afirmou que uma autoridade só se torna efetiva pelo seu "desempenho", e não por sua posição.

+ Entenda a greve dos caminhoneiros

+ Leia os relatos enviados ao 'Estadão' sobre o impacto da greve

"Nessa greve dos caminhoneiros, a chefia é móvel, não se sabe qual é o grupo [que comanda]. Eles têm contato imediato, todo o País está sabendo imediatamente o que aconteceu. O governo reage, vai para a televisão, ou vai para a internet, todos ficam sabendo imediatamente. Qual vai ser a reação? É um mundo que requer escuta, não adianta você dar ordem", declarou o ex-presidente, ao falar do que chamou de mundo contemporâneo.

"Tem que escutar para saber de que lado as coisas vão e tem que ver se você é capaz ou não de obter algum apoio à sua posição."

Ao ser perguntado por jornalistas se o governo errou ao tentar administrar a situação, Fernando Henrique não quis responder e disse que precisava de mais tempo para avaliar a situação.

+ Petroleiros convocam dia de mobilização nesta segunda-feira

No domingo, 27, o presidente Michel Temer anunciou medidas para reduzir o preço do diesel e atender demandas dos caminhoneiros. A paralisação, porém, continua nesta segunda-feira.

Fernando Henrique Cardoso cobrou a necessidade de se criar instrumentos para ouvir as pessoas. Comentando sobre segurança pública, o tucano afirmou que o País precisa de "autoridade", e não de "autoritarismo". "Não podemos deixar que isso vire caos, nem violência", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.