Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Mundo terá primeira recessão desde a Segunda Guerra, diz FMI

Fundo projeta uma contração de 0,6% da economia mundial em 2009; China deve crescer menos este ano

CLARISSA MANGUEIRA E NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

18 de março de 2009 | 09h27

O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou nesta quarta-feira, 18, que espera que a economia global tenha em 2009 a primeira contração desde a Segunda Guerra Mundial, encerrada em 1945, e ainda não vê um piso para a desaceleração econômica.

 

Veja também:

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

especialDicionário da crise  

"Vamos atualizar nossa projeção econômica mundial em algumas semanas e esperamos mostrar que a economia global, não apenas as economias avançadas, vai se contrair pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial", disse John Lipsky, vice-diretor-gerente do FMI, durante conferência de energia.

Ontem, Teresa Ter-Minassian, conselheira do diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, antecipou a repórteres as novas projeções do Fundo, segundo jornais britânicos. Ela afirmou que o FMI espera contração de 0,6% da economia mundial em 2009.

China

O Banco Mundial (Bird) reduziu sua previsão para o crescimento econômico da China em 2009 e espera agora um crescimento de 6,5% do Produto Interno Bruto (PIB) chinês este ano, inferior à estimativa anterior de 7,5%, devido principalmente ao agravamento da economia global. De acordo com o Bird, os investimentos públicos e o consumo vão conduzir o crescimento da China este ano.

A taxa de crescimento do Bird está abaixo da meta de Pequim, de aproximadamente 8%, e do crescimento de 9% registrado no ano passado, que interrompeu cinco anos consecutivos de crescimento acima de dois dígitos na China.

O Banco Mundial afirmou, no entanto, que embora a taxa de crescimento projetada para este ano seja "significativamente inferior" à taxa de crescimento potencial da China, isso não deverá colocar a economia ou a estabilidade social da China em perigo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criseFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.