Murdoch anuncia mudanças no comando da Dow Jones

Grupo, que edita o ?Wall Street Journal?, terá novo presidente; jornal também terá novo diretor

Associated Press, O Estadao de S.Paulo

07 de dezembro de 2007 | 00h00

Rupert Murdoch anunciou ontem uma grande reestruturação no seu império de mídia, nomeando um novo diretor-presidente para a Dow Jones & Co. e promovendo seu filho, James, a um cargo sênior dentro da News Corp. - o que claramente o coloca na linha de sucessão do pai.Les Hinton, executivo que está há tempos na News Corp. - atualmente supervisiona os jornais de Murdoch no Reino Unido - será o diretor-presidente da Dow Jones, dona do Wall Street Journal, da agência de notícias Dow Jones Newswires e da revista Barron?s. Robert Thomson, editor do The Times, um dos jornais de Murdoch no Reino Unido, foi nomeado diretor-responsável do Wall Street Journal, reportando-se a Hinton. Gordon Crovitz deixará o cargo de diretor-responsável e passará a escrever uma coluna para o Journal, enquanto o consultor-geral da Dow Jones, Joseph Stern, também sairá após um período de transição.Hinton substituirá Richard Zannino, que anunciou sua saída na quinta-feira. Zannino foi o primeiro não jornalista de que se tem memória recente a comandar a Dow Jones. Está no cargo desde o início do ano passado. A News Corp. recusou-se a liberar Hinton e outros executivos para entrevistas.SUCESSÃOJames Murdoch foi nomeado para um novo cargo de supervisão dos negócios de mídia da News Corp. na Europa e na Ásia, que incluem o grupo de jornais do Reino Unido e duas operadoras de TV por satélite, a Sky Italia e o Star Group, com sede em Hong Kong.Evidentemente, essas medidas põem James, de 34 anos, na linha de sucessão do pai, esclarecendo as questões que se arrastam há muito tempo sobre quem seria o próximo na linha para dirigir a News Corp. quando Rupert Murdoch, que está com 76 anos, decidir se aposentar. Murdoch já disse que pretende manter o controle da empresa na família.James Murdoch é o atual diretor da emissora de televisão por satélite do grupo no Reino Unido, o British Sky Broadcasting Group PLC (BSkyB), mas vai renunciar ao posto. E voltará a integrar ao conselho da News Corp., que detém cerca de 38% das ações da BSkyB.De início, a proposta de Murdoch para comprar a Dow Jones foi repelida pela família Bancroft, que controlava o lendário jornal publicado há mais de um século. O sindicato que representa os funcionários do Wall Street Journal também foi contrário à proposta, o mesmo acontecendo com o ex-membro do conselho e acionista Jim Ottaway Jr. As justificativas foram as preocupações com a preservação da independência editorial e da qualidade do jornal.Mas, após vários meses de campanha, Murdoch conseguiu persuadir um número suficiente de membros da fragmentada família Bancroft para garantir o sucesso da sua proposta, que avaliou a Dow Jones em mais de US$ 5 bilhões. A News Corp. também concordou em criar um conselho supervisor com a tarefa de assegurar a independência editorial do Wall Street Journal.O preço de US$ 60 por ação oferecido por Murdoch representou um enorme ágio de 65% em relação ao preço em que as ações da Dow Jones estavam sendo negociadas logo antes de a oferta se tornar pública. Nenhum outro proponente chegou a esse preço.Murdoch tem dito que o Wall Street Journal tem um enorme potencial de crescimento graças à crescente demanda por notícias e informações sobre negócios em todo o mundo. Ele tem dito, também, que pretende competir mais agressivamente com o New York Times pelos leitores nacionais e pelos anunciantes, ao mesmo tempo em que amplia as operações de reportagem em Washington, no exterior e investe mais na publicação pela internet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.