Mutuários tentam fazer acordo com bancos

Há 18 anos, um grupo de mutuários coordena a Central de Atendimento aos Moradores e Mutuários do Estado de SP (Cammesp), entidade que defende o direito desses consumidores. Além da orientação preventiva, acompanhando o cálculo das parcelas e o saldo devedor dos mutuários, a Cammesp auxilia inadimplentes da casa própria.O primeiro passo para essas pessoas, segundo o presidente da central, Humberto Rocha, deve ser procurar uma associação idônea para pedir orientação. Essas entidades estão preparadas para analisar o contrato, verificar possíveis irregularidades e fazer o cálculo das prestações a serem pagas. Se a negociação com o banco não for possível a solução é recorrer a uma ação judicial para pedir a revisão do contrato.Para Rocha, a imagem do mutuário inadimplente, considerado pelos bancos um mau pagador, tem que ser mudada. "A situação vexatória para o mutuário. Muita gente não procura ajuda por constrangimento", afirma. Segundo ele, a falta de equivalência entre os aumentos salarial e das prestações é o grande problema. Um estudo da central constatou que de julho de 1994 a outubro passado o aumento no valor dos contratos chegou a 380%.A Caixa Econômica Federal transferiu para a Empresa Gestora de Ativos (Emgea) a responsabilidade de cobrar as dívidas de quem fechou contratos imobiliários até 1996. As dívidas repassadas à Emgea somam R$ 26,6 bilhões. Por enquanto, não há mudanças para quem tem dívidas com a Caixa, que continua fazendo o atendimento aos mutuários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.