Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Na Arábia, presidente negocia livre comércio

Meta é acordo entre Mercosul e grupo de países do Golfo

Andrei Netto, RIAD (ARÁBIA SAUDITA), O Estadao de S.Paulo

16 de maio de 2009 | 00h00

A primeira visita de um chefe de Estado do Brasil à Arábia Saudita, em curso neste fim de semana, é a confirmação dos interesses mútuos pelo crescimento do comércio e do intercâmbio de tecnologia. Em Riad desde o início da tarde de ontem, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva encabeça uma delegação de ministros e de 52 empresários que pretendem mostrar que o Brasil pode ir além da exportação de alimentos. Já os sauditas se esforçam para atrair investimentos para um projeto urbanístico e econômico ambicioso: a construção de quatro megacidades, avaliadas em US$ 600 bilhões.O presidente chegou ao Palácio dos Hóspedes, ex-residência real construída há 90 anos, acompanhado da primeira-dama, Marisa Letícia, que vestia uma túnica, respeitando as tradições muçulmanas do país. Completaram a comitiva os ministros das Relações Exteriores, Celso Amorim, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Miguel Jorge, e das Comunicações Sociais, Franklin Martins, e o assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia.Lula teria no início da noite de ontem encontros com o secretário-geral do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), Abdul Rahman al Attiya, e com o rei saudita, Abdullah bin Abdulaziz al Saud. A reunião é a terceira dos dois chefes de Estado desde o fim de março.Na pauta dos encontros estão as negociações do acordo de livre comércio entre o Mercosul e o GCC - união regional formada pela Arábia Saudita, o Catar, o Kuwait, os Emirados Árabes Unidos, Omã e o Bahrein. Mas, além das negociações multilaterais, há interesses bilaterais. Ao Brasil interessa a venda de serviços aos mercados de infraestrutura, agricultura, turismo, tecnologia e desenvolvimento industrial, em franca expansão na Arábia Saudita. As trocas comerciais entre os países cresceram 70% em 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.