Na Ásia, maioria das Bolsas sobe seguindo Wall Street

Apesar da elevação do preço do petróleo conter os ganhos, Hong Kong fechou em alta de 3,7%

Ricardo Criez, Agência Estado

31 de julho de 2008 | 09h13

A maioria das bolsas da Ásia seguiu a alta em Wall Street, apesar de a nova elevação dos preços do petróleo conter os ganhos. A Bolsa de Hong Kong subiu impulsionada pelos ganhos da petrolífera chinesa Cnooc, que teve alta de 3,7%. O índice Hang Seng avançou 41,50 pontos, ou 0,2%, e fechou aos 22.731,10 pontos.   As preocupações com um possível aumento no número de ações em agosto, quando se encerrará o período de lock-up de bilhões de dólares em papéis, derrubaram as Bolsas da China, que fecharam em queda pela terceira sessão consecutiva. O índice Xangai Composto caiu 2,2% e encerrou aos 2.775,72 pontos. Já o Shenzhen Composto perdeu 2,9% e terminou aos 827,59 pontos. Analistas esperam que o mercado doméstico se consolide em torno dos níveis atuais no curto prazo, uma vez que a Comissão Regulatória de Títulos da China disse que a manutenção da estabilidade no mercado de capitais é prioridade antes das Olimpíadas, que começam em 8 de agosto.   O fortalecimento do dólar em relação ao euro fez o yuan se desvalorizar em relação à unidade norte-americana. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,8318 yuans, de 6,8272 yuans ontem. A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou em baixa, por conta da venda de ações por parte de investidores estrangeiros, apesar dos dois pregões de fortes ganhos nos EUA. O índice Taiwan Weighted caiu 0,7% e encerrou aos 7.024,06 pontos.   Na Coréia do Sul, o mercado fechou no campo positivo. Em sessão com fraco volume de negociações devido às incertezas sobre as economias global e local, o índice Kospi da Bolsa de Seul subiu 1,1% e fechou aos 1.594,67 pontos. As siderúrgicas estenderam os ganhos obtidos na sessão anterior, com a esperança de alta nos preços do aço. Posco ganhou 2,9%, enquanto Hyundai Steel faturou 2,2%. O mercado filipino apresentou leve baixa. Após os recentes ganhos - alta de 8% desde o início da semana passada -, os investidores decidiram realizar lucros, além de mostrar cautela em relação à inflação e ao crescimento econômico. O índice PSE Composto, da Bolsa de Manila, caiu 0,3% e fechou aos 2.577,10 pontos.   O fortalecimento das ações nos setores de recursos naturais e de energia, combinado com os sólidos ganhos no banco ANZ (+ 0,9%) e na Westpac (+ 2,9%), fizeram o mercado da Austrália, fechar em alta. Contudo, as fortes quedas no National Australia Bank (baixa de 3%) e no Commonwealth Bank (recuo de 1,6%) impediram o mercado de ficar acima dos 5 mil pontos. O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney ganhou 0,8% e encerrou aos 4.977,4 pontos. A mineradora BHP Billiton faturou 1,2% e Rio Tinto subiu 3,2%. Já Woodside avançou 3,9%.   A Bolsa de Cingapura fechou em leve alta, enquanto investidores aguardam os dados dos PIB dos EUA. O índice Straits Times subiu 0,1% e fechou aos 2.929,65 pontos.   Na Indonésia, o mercado seguiu as altas dos demais globais, mas os ganhos foram menores por causa das vendas de Telkom, que apresentou resultados semestrais. O índice composto da Bolsa de Jacarta subiu 1,1% e fechou aos 2.304,50 pontos.   O mercado tailandês subiu por conta dos ganhos do conglomerado de energia PTT, mas as maiores altas do índice foram aparentemente limitadas por expectativas de mais problemas nos bancos norte-americanos. O índice SET da Bolsa de Bangcoc subiu 1% e fechou aos 676,32 pontos.   Na Malásia, Wall Street sustentou os ganhos, mas a alta do petróleo provocou as vendas de papéis de empresas agrícolas. O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur subiu 0,3% e fechou aos 1.163,09 pontos. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.