Na BA, Gerdau critica falta de capacitação profissional

O presidente do Grupo Gerdau, Jorge Gerdau, foi enfático - e controverso - ao discursar, sob o tema da educação pública, para um público de cerca de 320 empresários, além de políticos de vários Estados, hoje, na Bahia. "Um certo dia, um analista nosso me ligou para dizer que estávamos conseguindo produzir, na Bahia, aço com padrão mundial de qualidade", conta. "Pensei: se na Bahia a gente conseguiu produzir aço de padrão mundial, o Brasil tem solução."A frase, tanto preconceituosa quanto inesperada, arrancou gargalhadas da platéia e foi a forma encontrada pelo empresário para explicar o problema que sofre com a falta de capacitação profissional de seus funcionários. Gerdau foi além: "Com o nível de educação oferecido hoje para a população, não há como competir globalmente no mercado", acredita. "Só empresas de grande porte, como a nossa, capaz de investir na formação e na qualificação dos colaboradores, conseguem competir.""A educação é uma área em que é preciso avançar no campo do gerenciamento", segue Gerdau. "Sem sistema de gestão, o conhecimento se perde. É preciso unir forças para sairmos da situação atual. Enquanto a educação não for a preocupação número um da população, não avançaremos em nenhuma área."Gestão A fala de Gerdau repercutiu entre os demais participantes. A presidente do Instituto Ayrton Senna, Viviane Senna, por exemplo, cobrou do ministro da Educação o estabelecimento de metas e a avaliação de resultados no sistema de ensino público, como forma de promover melhorias no setor. "Sabemos que 50% do problema de má distribuição de renda é de responsabilidade direta da educação", afirma. "Só um plano de gestão como o adotado nas empresas pode fazer com que os projetos avancem", acredita Viviane.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.