Na bagagem, uma série de polêmicas

Decolar.com já tevedisputas com Google,American Airlines e'Reclame Aqui'; Procon vê 'avanço' da empresa

O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2014 | 02h04

A maioria das empresas quando é confrontada com uma má avaliação em órgãos ou companhias ligados à defesa do consumidor faz um mea-culpa público e promete melhorar. Mas não foi o que ocorreu com a Decolar.com, que entrou em rota direta de colisão com o Reclame Aqui, site que concentra reclamações de clientes insatisfeito.

O presidente da Decolar no Brasil, Alipio Camanzano, criticou o site por vender uma ferramenta que ajuda as empresas a monitorar as queixas, tanto no próprio site quanto nas redes sociais. O presidente do Reclame Aqui, Maurício Vargas, defende-se, alegando que o site "é uma empresa, e não uma ONG" e que a aquisição ou não da ferramenta não tem relação com a avaliação da empresa.

Vargas ressalta, aliás, que a Decolar melhorou seus resultados em relação aos anos anteriores. Passou de avaliação "regular" em 2012 e 2013 para "boa" nos últimos 12 meses. Ainda assim, ele diz que o resultado ainda é pior do que o de concorrentes como CVC, Submarino Viagens e Hotel Urbano.

Apesar da briga com o Reclame Aqui, Camanzano admite que dedicou uma pequena equipe de atendimento para melhorar a avaliação no site.

No Procon-SP, o Decolar.com vem subindo na lista das empresas com maior número de reclamações: no ano passado, ficou na posição 42 do ranking. A assessora técnica da entidade Marta Aur diz, no entanto, que vê "avanço" da empresa na solução de queixas.

Segundo ela, no setor de turismo, o índice de queixas não resolvidas da Decolar foi inclusive menor do que o da CVC em 2013. Os dados do Procon-SP mostram que, embora a Decolar tenha tido mais registros (142, contra 105 da CVC), o índice de solução da agência online foi de 65%, enquanto o da tradicional ficou em 28%.

Parcerias. Além da questão das reclamações de clientes, a Decolar também enfrentou imbróglios com parceiros comerciais. Um deles foi com o buscador Google, que chegou a banir o site por um dia de seus sistemas de busca, em 2011.

O problema, detectado pela matriz americana da gigante da tecnologia, era que a empresa usava de mecanismos não permitidas pelo buscador para aumentar a audiência de seu site. O presidente da Decolar minimiza a questão, mas admite que a empresa, nos últimos anos, aprendeu com seus erros.

No fim do ano passado, foi a vez da companhia aérea American Airlines iniciar uma disputa com o site de viagens. Em processo aberto no fim do ano passado, nos Estados Unidos, a aérea acusa a Despegar.com - nome da companhia dona da Decolar no Brasil - de fraudes relativas a comissões por emissão de passagens. Camanzano afirma que, neste caso, a empresa é vítima de "preconceito comercial" e que seguirá brigando com a American Airlines.

A Despegar.com já chegou a enfrentar suspeitas de sonegação de impostos na Colômbia e na Argentina. No primeiro país, levou uma multa; no segundo, chegou a ter as operações suspensas em fevereiro, acusada de faturar parte de suas vendas nos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.