Lintao Zhang/Reuters
Lintao Zhang/Reuters

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Na China, Temer atribui queda do desemprego no Brasil à reforma trabalhista

Presidente disse que País vive momento de confiança e otimismo 'fortes' e está 'aberto' a grandes negócios

Cláudia Trevisan, enviada especial, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2017 | 10h32

Em discurso a empresários dos países dos Brics na China, o presidente Michel Temer atribuiu a recente queda do desemprego no Brasil à aprovação da reforma trabalhista. Sancionada em meados de julho, ela só entrará em vigor no mês de novembro. Temer disse que o País vive um momento de confiança e otimismo "fortes" e está "aberto" a grandes negócios.

O presidente repetiu as linhas gerais do discurso que havia feito no dia anterior a empresários brasileiros e chineses em Pequim. Disse que o País atravessa um momento de modernização, mencionou as reformas já aprovadas e afirmou que ainda pretende promover a simplificação tributária e mudanças nas regras da Previdência Social.

Chefe de uma gestão marcada por recuos e mudanças de posições, Temer afirmou que não há lugar para "improvisos" no mundo de hoje. "Quem deseja prosperar, tem de fazer a lição de casa, tem de se antecipar ao futuro. E, no Brasil, para por em ordem as contas públicas, temos conduzido reformas que há muito tempo foram adiadas, mas que restituem a saúde fiscal do Estado brasileiro." O evento teve participação de cerca de 1.000 representes de grandes empresas.

No fim da tarde, Temer se reuniu no hotel em que está hospedado com dirigentes de companhias brasileiras que participam do Conselho Empresarial dos Brics: Embraer, Vale, Banco do Brasil, Weg e BRF, além da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Temer participará nesta segunda-feira da reunião de cúpula dos países dos Brics, na cidade de Xiamen, no sul da China. O presidente também terá uma reunião bilateral com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.