Na contramão da Selic, juro ao consumidor volta a subir

Depois de apenas um mês de queda, juro ao consumidor subiu em janeiro. Naquele mês, Selic caiu

Da Redação,

17 de fevereiro de 2009 | 12h14

Após terem sido reduzidas em dezembro de 2008, depois de sete meses consecutivos de altas, as taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro deste ano. De acordo com pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), o juro subiu para as operações de crédito ao consumidor (CDC), nas linhas de financiamento de veículos, nos empréstimos pessoais em bancos e financeiras e nas taxas do comércio.       Veja também: De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    Na média, em janeiro, o juro médio mensal para pessoa física passou de 7,49% para 7,57%, o que corresponde a uma taxa anual de 140,05%. Para se ter uma ideia, no mês passado, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a Selic, a taxa básica de juros, em 1 ponto porcentual, para 12,75% ao ano. A diferença entre estas taxas é o chamado spread cobrado pelos bancos, que vem sendo muito criticado pelo governo e pelo setor produtivo.   Entre as linhas pesquisadas, duas apresentaram estabilidade em suas taxas de juros. São elas: cartão de crédito rotativo e cheque especial.   De acordo com o economista coordenador da pesquisa, Miguel José Ribeiro de Oliveira, as elevações de juro ao consumidor, apesar de não se justificarem, podem ser atribuídas à maior preocupação das instituições financeiras com a inadimplência.   Pessoa Jurídica   Já para pessoa jurídica, das quatro linhas de crédito pesquisadas todas tiveram suas taxas de juros elevadas (desconto de duplicatas, desconto de cheques, capital de giro e conta garantida). Na média, a taxa de juros subiu de 4,35% para 4,44%.   Taxa de juros x Selic   Considerando todas as quedas e elevações da Selic promovidas pelo Banco Central de setembro de 2005 até o mês passado, houve uma redução de 7 pontos percentuais - queda de 35,44%, de 19,75% ao ano para 12,75% ao ano.   Neste período a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma redução de 1,07 ponto porcentual - queda de 0,76%, de 141,12% ao ano para 140,05% ao ano.   Nas operações de crédito para pessoa jurídica houve uma elevação de 0,19 ponto porcentual (elevação de 0,28%) - de 68,23% ao ano para 68,42% ao ano, ficando evidente que não foram repassadas integralmente todas as quedas da taxa básica de juros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.