finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Na contramão, mercado melhora as projeções

Pesquisa do BC mostra que analistas elevaram estimativa de expansão do País, de 4,60% para 4,62%

Gustavo Freire e Ribamar Oliveira, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2021 | 00h00

Na pesquisa semanal de mercado realizada no auge da crise financeira, divulgada ontem pelo Banco Central (BC), quase todas as projeções das instituições financeiras sobre a economia brasileira melhoraram. Até a mediana (número mais freqüente) das estimativas para o crescimento econômico deste ano subiu, de de 4,6% para 4,62%. Para 2008, passou de 4,30% para 4,35%. Essa revisão se opõe à avaliação da maioria dos economistas, segundo a qual o efeito negativo da atual crise se dará justamente natividade econômica.O dado negativo da pesquisa é sobre a inflação. A mediana das projeções do mercado para o IPCA este ano subiu de 3,75% para 3,77%. A pesquisa do BC é feita com 100 instituições. Essa elevação do IPCA ainda não está relacionada à subida da cotação do dólar, como explicou o economista-chefe da Corretora Concórdia, Elson Teles.''''O que estamos vendo ainda é efeito do aumento dos preços agrícolas nas últimas semanas'''', disse. A alta dos preços agrícolas, segundo Teles, vem sendo puxada pelo crescimento do uso do etanol e por um processo de recuperação dos preços de carnes e leite.Houve melhora também na projeção do mercado para a dívida líquida pública, que caiu de 43,58% do Produto Interno Bruto (PIB) ao final deste ano para 43,50% do PIB. É a terceira redução seguida dessa estimativa, que estava em 43,8% do PIB há quatro semanas. A projeção da dívida líquida para 2008 foi mantida em 42% do PIB pela segunda semana seguida.A redução do comércio mundial é apontada pela maioria dos economistas como provável resultado da crise financeira. A avaliação é que haverá queda de consumo e da atividade econômica nos Estados Unidos , o que resultará em menores importações. Nesse cenário, as exportações brasileiras diminuiriam.Mas o Relatório de Mercado ainda não incorpora essa possibilidade. As projeções para o superávit comercial do País neste ano ficaram estáveis em US$ 43 bilhões. Para 2008, continuaram em US$ 37,15 bilhões. As projeções de superávit em conta corrente permaneceram em US$ 11,50 bilhões.É provável que as instituições financeiras não quiseram repassar para as projeções o pessimismo que caracterizou o mercado nos últimos dias. A instabilidade dos mercados e a falta de clareza sobre o comportamento futuro da economia americana parecem ter sido os principais motivos para a cautela. Prova disso é a manutenção da expectativa de que o Comitê de Política Monetária (Copom) fará um corte de 0,25 ponto porcentual na taxa básica de juro (Selic), na reunião de setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.