Na Holanda, Lula destaca momento especial do Brasil

Ele defendeu uma parceria maior com a Holanda, seja na área da indústria, da ciência, e do comércio

Tânia Monteiro, da Agência Estado,

10 de abril de 2008 | 09h52

Na declaração conjunta com o primeiro-ministro holandês, Jan Peter Balkenende, em Roterdã, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira, 10, que o Brasil vive um momento muito especial, por conseguir combinar crescimento do mercado interno com o externo; crescimento da economia com inclusão social; e crescimento da economia com inflação baixa. Ele defendeu uma parceria maior com a Holanda, seja na área da indústria, da ciência, e do comércio, assim como o aprofundamento das parcerias na área de biocombustíveis.   Veja também: Produção maior é saída contra inflação, diz Lula Especial sobre a crise de alimentos Celso Ming explica a alta da inflação  Entenda os principais índices de inflação  Inflação surpreende para cima e reforça alta de juro   Lula lembrou que a União Européia decidiu até 2020 introduzir 10% dos biocombustíveis como matriz energética. Ele ressaltou que o Brasil já domina a técnica na produção de biocombustíveis, como o etanol, e destacou a importância desse tipo de desenvolvimento de projeto para ajudar outros países a se desenvolverem nessa área. Para o presidente Lula, os biocombustíveis são a "esperança de modelo de desenvolvimento" para a África, América Latina e países asiáticos. "É só olhar o Haiti hoje o quanto se beneficiaria se ali fosse produzido esse tipo de produto."Um pouco antes, o primeiro-ministro holandês disse que considera normal os países europeus terem preocupação com a sustentabilidade dos biocombustíveis. Ele citou que a Holanda tem uma preocupação especial com essa questão, porque o país é muito suscetível a qualquer mudança climática.Ainda hoje, o presidente Lula participará de encontro com lideranças empresariais e de banquete oferecido pela rainha Beatrix, no Palácio Noordeinde.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaCrescimento econômico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.