Na Justiça, Vasp garante que paga dívida trabalhista

Um acordo firmado na Justiça do Trabalho na manhã de hoje pode pôr um fim na novela em que se transformou a quebra da Vasp. O controlador da empresa, Wagner Canhedo, se comprometeu a depositar até terça-feira R$ 40 milhões como caução numa conta judicial aberta na 14.ª vara do Trabalho de São Paulo na forma de uma carta de fiança emitida pelo Banco do Brasil.A novidade na assinatura do acordo ficou por conta da presença de dois representantes de uma possível compradora da Vasp. Os executivos Joicy von Stwezzer e Marcos Antonio Faria assinaram o termo em nome da empresa GBDS S.A., respectivamente como vice-presidente de Estratégia e vice-presidente de Finanças.Segundo representantes dos trabalhadores da Vasp, von Stwezzer e Faria informaram ao juiz Homero Batista Mateus da Silva que a GBDS está em processo de aquisição do controle acionário da empresa. Atualmente, Wagner Canhedo detém 77% da Vasp, com ações em nome da sua transportadora, a Wadel. O governo do Estado de São Paulo detém 4%, cota que é questionada na Justiça.Surpresa"A notícia do acordo foi uma surpresa para nós", afirmou a presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziela Baggio. "Fomos convocados para a reunião na quinta-feira à tarde e não temos qualquer informação sobre essa história de compra do controle acionário", disse.Segundo Graziela, as poucas informações concretas a respeito da GBDS é que a sede da empresa é no Rio e a empresa não tem ligação com a área de transporte. A empresa atuaria na área de exportação e seria o braço de um grupo europeu no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.