Divulgação/MRV Engenharia
Divulgação/MRV Engenharia

Na marcha de 50 mil unidades por ano

MRV quer consolidar essa marca, tanto para lançamentos como para vendas, além de lançar o imóvel Premium ampliando sua plataforma

Débora Ribeiro Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2018 | 05h00

A MRV Engenharia celebra recordes de lançamentos e vendas, enquanto se prepara para consolidar a marca de 50 mil imóveis nos 12 meses de 2018. Especializada na construção de imóveis populares, terá um novo produto, denominado Premium, até o fim do ano.

É diversificação, não uma mudança de rumo. Afinal, a empresa sempre teve como foco o segmento de apartamentos econômicos, atesta o diretor comercial de vendas da MRV em São Paulo, Sérgio Paulo dos Anjos: “Está no DNA da companhia.”

Essa genética ganhou mais força e ampliou a sintonia com o mercado a partir de 2009, com a chegada do programa Minha Casa Minha Vida. “Oferecer imóveis econômicos, com qualidade, bem localizados e com facilidades de financiamento foram fatores determinantes para o sucesso da MRV”, afirma o diretor. Para exemplificar, Paulo dos Anjos fala do megaprojeto Grand Reserva Paulista, em Pirituba, zona norte de São Paulo. “É o maior complexo de empreendimentos da história da MRV, que contempla um bairro planejado para mais de 7 mil famílias, ao lado da marginal Tietê”, diz. O investimento é de R$ 1 bilhão na construção de 25 condomínios residenciais, com 7.296 apartamentos.

As unidades, de um a três quartos, custam entre R$ 225 mil e R$ 430 mil. A maioria tem dois dormitórios e está enquadrada no programa MCMV, cujo teto é de R$ 240 mil. “É bem interessante por estar próximo à região central, rodeado por comércio e acesso ao transporte público”, descreve o diretor, destacando a localização. Outro apelo do Grand Reserva Paulista é o fato de já ter nascido com a proposta de uso de energia solar. “Reúne sustentabilidade e economia para os moradores”, explica. Em 2017, foram vendidas 1.577 unidades, referentes aos 10 primeiros edifícios do complexo. A previsão é concluir as fases de lançamento até o término de 2019.

Ciclo curto. A primeira etapa do megaprojeto chegou ao mercado no final de 2016 e, até dezembro, será entregue o primeiro condomínio, o Spazio Maresias, pouco mais de dois anos após o lançamento do empreendimento. A construtora vê chances de encurtar ainda mais o ciclo de produção, usando a tecnologia de forma de alumínio para parede de concreto, implantada há cinco anos. Esse processo já é aplicado em 80% dos canteiros. A MRV fechou o primeiro trimestre do ano com o total de 212 obras em andamento e segue firme com o projeto de implantação de energia solar fotovoltaica em seus projetos. “Até 2022, temos como objetivo atingir 100% de nossos empreendimentos lançados com a tecnologia”, diz Paulos dos Anjos. Em 2017, 30% dos residenciais construídos contaram com o sistema.

De acordo com os resultados operacionais no último ano, a companhia apresentou o recorde histórico, com 43.335 mil unidades vendidas em todo o Brasil, declara o diretor. Na apresentação do último balanço anual da empresa, em teleconferência, o copresidente da MRV, Eduardo Fischer, afirmou que 2018 é o ano da consolidação do que havia sido proposto há três anos, com a MRV lançando e vendendo 50 mil unidades ao longo de 12 meses.

Premium. A MRV vai ter uma novidade na praça: é o produto Premium, ampliando sua plataforma e seu alcance na questão habitacional no Brasil. Segundo Fischer, vai ser algo complementar, que não se sobrepõe à operação corrente da empresa. 

“Devemos começar a lançar esses empreendimentos no final do ano”, confirma o diretor Paulo dos Anjos.

No ano passado, as vendas realizadas pela MRV em todas as suas praças no Brasil somaram R$ 6,1 bilhões. Presente em 150 cidades de 22 Estados e no Distrito Federal, a empresa realizou em São Paulo (capital e região metropolitana) 8% das suas vendas em 2017, um total de 3.051 unidades.

O valor geral de vendas dos lançamentos atingiu R$ 5,6 bilhões no País. São Paulo recebeu “mais de 2,8 mil unidades e VGVL de R$ 600 milhões”, diz o diretor comercial. Segundo a Embraesp, em 2017 foram lançados 10 empreendimentos em São Paulo e na região metropolitana, com 18 edifícios e 231 m² de área a ser construída. Até dezembro, a MRV investirá R$ 2,7 bilhões no lançamento de 27 mil unidades habitacionais no Estado, sendo 6,6 mil na Grande São Paulo, com VGV potencial de R$ 4,2 bilhões. “Estamos otimistas em relação às perspectivas do setor de construção em São Paulo para 2018 e projetamos mais investimentos para os próximos anos”, anima-se Anjos. Mas ele pondera: “O cenário macroeconômico atual continua apresentando grandes desafios.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.