Imagem Paulo Leme
Colunista
Paulo Leme
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Na penumbra da guerra comercial

A abertura comercial desaparecerá na penumbra da guerra comercial

Paulo Leme, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2018 | 05h00

O crescimento vertiginoso da participação da China nos fluxos de comércio internacional e os danos causados pela crise financeira de 2008 geraram uma aversão crescente ao livre-comércio e à globalização. Políticos astutos se beneficiaram desse sentimento nacionalista para chegar ao poder. No Reino Unido, esse movimento culminou com a sua saída da União Europeia (Brexit). Nos Estados Unidos, o guardião do livre-comércio, essa onda nacionalista levou Trump à Casa Branca.

O presidente Trump disparou o primeiro tiro da guerra comercial contra o Nafta, o acordo de livre-comércio entre Estados Unidos, Canadá e México. Na sequência, Trump vem impondo ou aumentando tarifas de importação numa ampla gama de produtos que vão desde aço e alumínio até uma lista extensa de produtos chineses que valem US$ 250 bilhões. Trump já avisou que vai aumentar as tarifas de importação sobre carros para 25%, prejudicando a Europa e o Japão. Os países afetados já retaliaram os Estados Unidos, respondendo da mesma forma. Trump também ameaça sair da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Com Trump, não é fácil distinguir a fantasia da realidade, o que dificulta estimar os efeitos dessa disputa comercial na economia mundial. No entanto, a história nos alerta que o custo econômico de guerras comerciais pode ser enorme. Em 1930, os Estados Unidos deflagraram uma grande guerra comercial ao implementar o Smoot-Hawley Tariff Act. A medida protecionista sinalizou o isolacionismo dos Estados Unidos e abalou de vez a confiança em Wall Street, agravando mais ainda os efeitos nefastos da grande depressão.

Ofereço três cenários possíveis para as consequências dessa guerra comercial. No primeiro cenário (mais provável), os países afetados apenas vão retaliar de forma recíproca qualquer medida a ser anunciada por Trump. O efeito no crescimento do PIB mundial será pequeno, mantendo-o ligeiramente abaixo do nível atual de 4%. No segundo cenário (possível), os Estados Unidos ampliarão a escalada protecionista, recebendo o troco dos países afetados na mesma moeda. Isso reduziria o crescimento do PIB mundial em meio ponto porcentual, para 3,5%. Os mercados financeiros já descontam esse cenário, mas a volatilidade aumentaria. No terceiro cenário (pouco provável), entraríamos em plena guerra comercial, expandindo não só a pauta protecionista como também o nível das tarifas e o número de países afetados. Nesse cenário, o crescimento global cairia 1,5 a 2,0 pontos porcentuais (para 2,0%-2,5%) e os mercados financeiros cairiam significativamente. O viés desse cenário é para baixo.

A guerra comercial terá efeitos diretos e indiretos no Brasil. Se conseguirmos evitar o terceiro cenário, os efeitos diretos na economia brasileira serão pequenos porque ela é muito fechada ao comércio internacional. A corrente do comércio (exportações mais importações divididas pelo PIB) é de apenas 24% para o Brasil, comparado com 43% para a América Latina e 78% para o México.

O que mais me preocupa são os efeitos indiretos da guerra comercial no Brasil, porque será difícil promover uma abertura comercial em um ambiente protecionista. A abertura é necessária porque o aumento da produtividade e do crescimento estão diretamente ligados ao progresso técnico incorporado na utilização de equipamentos e insumos importados. Como a nossa economia é muito fechada e as nossas tarifas de importação sobre bens de capital, insumos, e bens intermediários são altas, importamos muito menos do que é necessário para modernizar o estoque de capital e aumentar a produtividade. Em um estudo preparado em 2017, o FMI estima que se cortássemos as tarifas de importação sobre bens de capital à metade, os investimentos aumentariam 10% e a taxa de investimentos aumentaria em 2 pontos porcentuais (para 18% do PIB).

Estamos às vésperas da campanha eleitoral. Justamente quando seria ideal que os candidatos defendessem a abertura comercial, a onda protecionista liderada por Trump dará ao nosso lobby industrial argumentos valiosos para barrar qualquer iniciativa nessa direção. Assim sendo, a abertura comercial desaparecerá na penumbra da guerra comercial.

PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA VINLAND CAPITAL E PROFESSOR VISITANTE DE FINANÇAS NA UNIVERSIDADE DE MIAMI 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.