Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Na Suíça, Palocci atribui aperto monetário à inflação

O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, afirmou neste sábado, ao chegar em Lausanne, na Suíça, para a reunião de cúpula do G-8, que o governo brasileiro ainda não afrouxou a política monetária, reduzindo a taxa de juros, porque existem riscos inflacionários a serem debelados. "Não queremos apenas reduzir um pouco a inflação. Queremos matar e esquartejar. Ou fazemos isso agora, ou vamos passar quatro anos com esse problema", disse o ministro em resposta às críticas sobre os efeitos da atual política econômica sobre o crescimento.De acordo com Palocci, o aperto monetário está funcionando, mas não com a "velocidade que gostaria", porque apesar dos preços no atacado já apresentarem taxas negativas, os índices ao consumidor estão caindo "muito lentamente". Como exemplo, mencionou o IPCA, que projeta um crescimento de 12,13% no ano frente a uma meta de 8,5%. "Quando esses índices mostrarem que a inflação foi totalmente controlada, os juros certamente cairão", afirmou.Ele disse também que a possibilidade de explosão inflacionária que existia até janeiro, quando a projeção chegou a 40%, "está eliminada". "A inflação perdeu fôlego definivamente", disse o ministro, afirmando que as decisões do Banco Central não serão afetadas por pressões na próxima reunião do Conselho de Política Monetária (Copom), em junho. "O Copom vai continuar fazendo o necessário.?Para Palocci, o crescimento econômico não depende apenas da queda dos juros. "Um erro que todos nós cometemos é pensar que o crescimento só vem com a redução de juros", disse. "Um outro aspecto importante, entre vários, é a questão dos investimentos, públicos e privados."Segundo o ministro, quem tem pressa com a política monetária pode estar sendo conivente com um certo grau de inflação para estimular o crescimento. "O Brasil poderia fazer uma opção diferente da que estamos fazendo, tolerando uma inflação maior para poder crescer mais no curto prazo. Mas no médio e no longo prazos, o desastre é certo", disse o ministro. "Sempre que o Brasil foi tolerante com a inflação, houve um desastre econômico."O objetivo da atual política econômica, disse Palocci, é garantir condições para um crescimento econômico de longo prazo. Ele descartou as comparações entre a política econômica do governo anterior e a atual. "O governo passado não teve política de crescimento porque achava que ele viria naturalmente", disse. "O crescimento tem que ser estimulado, coordenado, trabalhado e isso já começou a ser feito no governo Lula."

Agencia Estado,

31 de maio de 2003 | 13h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.