Na TAM, bilhete mais barato para estrangeiros

Diferença de preço foi criticada por usuários no Facebook; empresa diz que foi erro de sistema

CAIO DO VALLE, NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2013 | 02h06

A TAM vende passagens mais baratas para o mesmo voo no site da companhia em inglês. A discrepância entre os preços cobrados em dólares e em reais passa dos 300% - e o valor em reais é sempre mais caro. Também acontece de alguns voos aparecerem como esgotados na versão brasileira do site, enquanto assentos para o mesmo voo continuam sendo vendidos para quem paga em outra moeda.

Cartões de créditos de brasileiros, porém, não são aceitos nesse tipo de transação, mesmo os internacionais. É preciso que o endereço da fatura corresponda ao país escolhido na hora da compra. Um americano nos Estados Unidos ou mesmo em viagem ao Brasil pode ser beneficiado, uma vez que o cartão de crédito provavelmente foi emitido no seu país de origem.

A reportagem do Estado fez a comparação entre os valores cobrados para um mesmo trecho em moedas diferentes. O voo 3226 (Congonhas - Confins), pesquisado ontem para voar no mesmo dia, custava R$ 664 no site brasileiro. Mas bastava mudar o país de compra no topo do site da TAM para Estados Unidos que o mesmo voo passava a custar U$ 70 (cerca de R$ 140). O valor é quase um quinto do cobrado no Brasil.

E não são apenas os compradores americanos os beneficiados com o desconto. Ontem, a ponte aérea Congonhas - Santos Dumont das 15h30 (voo 3938) aparecia como esgotada. Porém, se o comprador fosse do Reino Unido, não apenas encontraria o mesmo voo disponível, como pagaria £38 - 0 equivalente a R$ 116, na cotação de ontem.

No site chileno da companhia, os valores eram mostrados em dólares. O voo 3938 também estava disponível para ontem e custava U$ 50 (cerca de R$ 100).

Qualquer outro voo entre São Paulo e Rio comprado por um brasileiro em cima da hora, com antecedência de apenas um dia, custa acima de R$ 700. A tarifa mais barata para voar ontem para o Rio era R$ 243, mas saindo do Aeroporto de Viracopos, em Campinas, a 100 km da capital.

Além disso, há uma diferença na maneira como os preços são exibidos. No site brasileiro, a tarifa que é mostrada em destaque aparece sem taxas - só na lateral da página a TAM mostra o valor completo.

Obedecendo a uma determinação do governo norte-americano, porém, no site da TAM voltado aos Estados Unidos, as taxas já estão inclusas no valor da passagem.

Redes sociais. A diferença de preços cobrada pela TAM foi criticada ontem por usuários do Facebook, que descobriram a prática e questionaram a empresa. Vários pesquisaram trechos diversos, e em todas as cotações, o preço em real era no mínimo 20% mais caro do que em qualquer outra moeda.

Procurada pela reportagem, a TAM disse que "ocorreu um erro no sistema de disponibilização de tarifas, causando uma grande diferença nos preços, para iguais trechos, em nossos sites do Brasil e do exterior. O erro foi temporário e já foi corrigido."

Na mesma nota, a companhia admite que tem políticas tarifárias diferentes para cada país onde opera. "Vale ressaltar, porém, que a TAM trabalha com o conceito de composição dinâmica de preços, tanto no mercado brasileiro quanto no exterior. O que determina o valor das passagens é a demanda de cada perfil de passageiro e a oferta disponível, o que pode variar de acordo com cada mercado. Por isso, o site da TAM possui versões para cada país em que a empresa opera, obedecendo às legislações locais. Cada uma das versões só permite compras com cartões de crédito emitidos no país selecionado pelo cliente". / COLABOROU LILIAN VENTURINI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.