Isac Nobrega/Presidency Brazil/Handout via Reuters
Isac Nobrega/Presidency Brazil/Handout via Reuters

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Na TV, Bolsonaro diz que reforma da Previdência será justa para todos

'Quem ganha mais, contribuirá mais, quem ganha menos, contribuirá com menos ainda', afirmou o presidente

Daniel Galvão, Eulina Oliveira e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2019 | 20h53

Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, na noite desta quarta-feira, 20, o presidente Jair Bolsonaro defendeu a proposta de reforma da Previdência encaminhada mais cedo ao Congresso Nacional para "um amplo debate social".

"Estamos determinados a mudar o rumo do nosso País", disse. "Encaminhamos ontem ao Congresso um pacote anticrime e hoje iniciamos o processo de criação de uma nova Previdência."

Segundo o presidente, "é fundamental equilibrarmos as contas do País para que o sistema não quebre, como já aconteceu com outros países e em alguns Estados brasileiros", afirmou. Bolsonaro ressaltou que "precisamos garantir que, hoje e sempre, todos receberão seus benefícios em dia e o governo tenha recursos para ampliar investimentos na melhoria de vida da população e na geração de empregos".

"A nova Previdência será justa para todos, sem privilégios. Ricos e pobres, servidores públicos, políticos ou trabalhadores privados, todos seguirão as mesmas regras de idade e tempo de contribuição. Também haverá a reforma dos sistemas de proteção social dos militares", disse.

"Respeitaremos as diferenças, mas não excluiremos ninguém. E com Justiça: quem ganha mais, contribuirá mais, quem ganha menos, contribuirá com menos ainda", acrescentou Bolsonaro. "Estou convicto que nós temos um pacto pelo País e que, juntos, cada um com sua parcela de contribuição, mudaremos nossa história, com mais investimentos, desenvolvimento e mais empregos", finalizou.

Segue abaixo a íntegra do pronunciamento:

"Boa noite! Nação brasileira, estamos determinados a mudar o rumo do nosso país! nossos objetivos são claros: resgatar a nossa segurança, fazer a economia crescer novamente e servir a quem realmente manda no país, a população brasileira. Sendo assim, ontem encaminhamos ao congresso um pacote anticrime.

E hoje iniciamos o processo de criação de uma nova Previdência. É fundamental equilibrarmos as contas do país para que o sistema não quebre, como já aconteceu com outros países e em alguns Estados brasileiros.

Precisamos garantir que, hoje e sempre, todos receberão seus benefícios em dia e o governo tenha recursos para ampliar investimentos na melhoria de vida da população e na geração de empregos. A Nova Previdência será justa e para todos. Sem privilégios.

Ricos e pobres, servidores públicos, políticos ou trabalhadores privados, todos seguirão as mesmas regras de idade e tempo de contribuição. Também haverá a reforma dos sistemas de proteção social dos militares.

Respeitaremos as diferenças, mas não excluiremos ninguém. e com justiça: quem ganha mais, contribuirá com mais, quem ganha menos, contribuirá com menos ainda.

Quero lembrar que, hoje, os homens mais pobres já se aposentam com 65 anos e as mulheres com 60, enquanto isso, os mais ricos se aposentam sem idade mínima. Isso vai mudar.

A Nova Previdência fará a equiparação e as pessoas de todas as classes vão se aposentar com a mesma idade. Mas isso não ocorrerá do dia para a noite. estão previstas regras de transição para que todos possam se adaptar ao novo modelo.

No tocante aos direitos adquiridos, todos estão garantidos, seja para quem já está aposentado ou para quem já completou os requisitos para se aposentar.

Também fazem parte da Nova Previdência o combate às fraudes e medidas de cobrança aos devedores da Previdência. Os projetos seguiram hoje ao Congresso Nacional para um amplo debate social sob o comando dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre.

Nós sabemos que a Nova Previdência exigirá um pouco mais de cada um de nós. porém, é para uma causa comum: o futuro do nosso Brasil e das próximas gerações.

Estou convicto que nós temos um pacto pelo País, e que juntos, cada um com sua parcela de contribuição, mudaremos nossa história, com mais investimentos, desenvolvimento e mais empregos. Meu muito obrigado!" 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.