Na TV, Lula pede que brasileiros consumam contra recessão

A crise não nos assusta (...). O que precisará ser feito será feito', disse presidente em rede nacional

Da Redação

22 de dezembro de 2008 | 21h23

Pela primeira vez, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão sobre a crise financeira global. O presidente disse que a crise não assusta o Brasil. Ele também exaltou os bons números da economia brasileira e pediu que os brasileiros sigam consumindo para impedir que a economia entre em recessão. Veja também: Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    Para estimular a população, o presidente explicou que, ao consumir, o cidadão garante a produção da indústria, as vendas no comércio e a manutenção de empregos. Segundo Lula, o governo tem feito sua parte para evitar os efeitos da crise e cabe ao brasileiro também ajudar.   "E você, meu amigo e minha amiga, não tenha medo de consumir com responsabilidade. Se você está com dívidas, procure antes equilibrar seu orçamento. Mas, se tem um dinheirinho no bolso ou recebeu o décimo terceiro, e está querendo comprar uma geladeira, um fogão ou trocar de carro, não frustre seu sonho, com medo do futuro", disse Lula.   Sem medo da crise Lula ainda demonstrou confiança ante a crise global. "Quero dizer, com toda a serenidade, que a crise não nos assusta. O país está preparado e tem comando. O que tiver que ser feito, será feito.", disse na mensagem de Natal, que durou oito minutos.   Lula falou também dos números da economia. Ele exaltou o controle da inflação, da queda do desemprego e do aumento das reservas internacionais. O pronunciamento foi intercalado com gráficos com números da economia.

Mais conteúdo sobre:
LulapronunciamentoTV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.