Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Na última hora, governo derruba anúncio de 'lista suja' do trabalho escravo

Depois de três sentenças judiciais que determinavam a divulgação da lista nesta terça-feira, 7, pedido da AGU foi aceito pelo ministro Ives Gandra Martins Filho, do TST

Leonêncio Nossa, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2017 | 19h21

BRASÍLIA - O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, conseguiu na tarde desta terça-feira, 7, derrubar o anúncio da "lista suja" de empregadores de mão de obra análoga à escrava. Depois de três sentenças judiciais que determinavam o fim do sigilo do cadastro, a divulgação dos nomes flagrados nas operações de combate ao trabalho forçado deveria ter sido feita hoje. Porém, o ministro Ives Gandra Martins Filho, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), aceitou pedido de suspensão apresentado pela Advocacia-Geral da União (AGU).

A "lista suja" é considerada pelas Nações Unidas como uma medida fundamental na repressão a práticas de violação de direitos humanos no setor do emprego. Em sua decisão, Ives Gandra disse que não cabe ao Judiciário exercer ingerência sobre a atuação do Ministério do Trabalho. "O nobre e justo fim de combate ao trabalho escravo não justifica atropelar o Estado Democrático de Direito, o devido processo legal, a presunção de inocência e o direito à ampla defesa", afirmou. Com trajetória marcada por posições polêmicas e a favor do Planalto, Ives Gandra é criticado por entidades de defesa de direitos civis. Nos últimos meses, ele tem proposto a "flexibilização" das leis trabalhistas.

A sentença do ministro do TST bate frontalmente com a posição tomada ontem, segunda-feira, pelo desembargador Pedro Luís Vicentin Foltran, presidente do Tribunal Regional do Trabalho. Numa decisão pela abertura da lista, Foltran disse que a divulgação do cadastro não prejudica o direito à ampla defesa dos flagrados nas operações de combate ao trabalho escravo. "As atuações do órgão fiscalizador em relação à apuração do trabalho escravo são rígidas e os autos de infração somente são expedidos quando o processo administrativo de cada empregador foi analisado em todas as instâncias e possui decisão irrecorrível", afirmou.

Apostas. Além da aposta na judicialização do caso, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, também abriu outras frentes contra a divulgação da "lista suja". Ele criou no âmbito da pasta um grupo para analisar mudanças na portaria que estabelece os critérios do anúncio do cadastro e da inclusão de nomes. O grupo terá 120 dias para apresentar uma conclusão das análises. É o mesmo prazo que Ives Gandra concedeu para manter a lista em sigilo. Agora, o Ministério Público Federal estuda um novo recurso para garantir a publicidade do cadastro.

Em janeiro, a Organização Internacional do Trabalho (OIT), órgão das Nações Unidas, alertou que o Brasil poderia deixar de ser uma referência no combate ao trabalho escravo. Na manhã de ontem, o coordenador do Programa de Combate ao Trabalho Forçado da OIT no Brasil, Antonio Carlos de Mello Rosa, afirmou que a divulgação da lista é um instrumento eficaz para reduzir o problema. "A divulgação da lista é importante para todo o setor econômico, que não pode ficar manchado pelo pecado de alguns", afirma.

Ele ressalta que eventuais mudanças nos critérios da lista podem aprimorar o cadastro, mas devem ocorrer em um ambiente de discussão ampla e democrática. Para Mello Rosa, o local mais apropriado de debate é a Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae), que reúne representantes de governo, da iniciativa privada e dos trabalhadores. Ele observa que a inclusão de nomes de empregadores na "lista suja" só ocorre após a finalização de um processo administrativo, com amplo direito de defesa. "Não existe motivo de essa lista não ser divulgada", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.