finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Na véspera do G20, países do euro confirmam recessão

Economia dos 15 países do euro encolheu 0,2% pelo segundo trimestre seguido.

Da BBC Brasil, BBC

14 de novembro de 2008 | 08h45

A União Européia confirmou que a economia dos países da zona do euro retraiu 0,2% pelo segundo trimestre consecutivo, o que caracteriza recessão.Os dados oficiais referentes aos meses de julho a setembro foram divulgados nesta sexta-feira, dia em que os líderes mundiais se reúnem em Washington para uma cúpula especial sobre a crise econômica mundial.A Itália confirmou nesta sexta-feira que sua economia também entrou em recessão, com redução de 0,5% e 0,4% nos últimos dois trimestres.Com isso duas das quatro maiores economias da zona do euro - Itália e Alemanha - estão em recessão. As outras duas, Espanha e França, tiveram apenas um trimestre de crescimento negativo.França e EspanhaA Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) afirma que a atividade econômica deve cair 0,5% na zona do euro em 2009.A França divulgou nesta sexta-feira que sua economia cresceu 0,1% no último trimestre. Já a economia espanhola teve seu primeiro trimestre de crescimento negativo desde 1993, com contração de 0,2%.Na quinta-feira, o governo alemão divulgou que a economia do país, a maior da zona do euro e uma das maiores do mundo, entrou em recessão. A economia diminuiu 0,5% no terceiro trimestre, depois de já ter caído 0,4% no segundo trimestre.Na quarta-feira, o presidente do Bank of England, o banco central britânico, afirmou que a economia do país - que integra a União Européia, mas não faz parte da zona do euro - também já está provavelmente em recessão.Encontro do G20Nesta sexta-feira, os líderes do G20 - grupo composto por países mais ricos e emergentes - vão discutir soluções para a crise econômica mundial em Washington.O G20 representa 85% da economia e dois terços da população mundial. Os países buscam ações coordenadas que possam conter a crise financeira, além de reformas que reduzam o risco de algo parecido se repetir.Na véspera do encontro, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, pediu corte de impostos em todo o mundo e aumento dos gastos governamentais para evitar que a economia global entre em recessão.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que a crise financeira não representa um fracasso do capitalismo e do livre mercado.O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, disse que seu país e a União Européia podem "falar com apenas uma voz" na cúpula do G20.Os líderes mundiais vão jantar na Casa Branca nesta sexta-feira. No sábado, eles realizarão duas sessões plenárias, que serão seguidas por um pronunciamento de Bush. O encontro também terá a presença do secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, e dos presidentes do Banco Mundial e do FMI.Em carta aberta ao fórum, Ban Ki-Moon pediu que os países evitem uma recessão econômica mundial, que causaria uma "tragédia humana" entre os pobres.O Japão anunciou que está preparado para emprestar até US$ 100 bilhões ao FMI para ajudar países emergentes atingidos pela crise.O FMI já emprestou em caráter emergencial mais de US$ 30 bilhões para Islândia, Hungria e Ucrânia.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.