carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Nabe: recuperação da economia dos EUA será moderada

A recessão nos Estados Unidos acabou, mas as preocupações com a dívida federal e o desemprego crescente continuam ofuscando o cenário, de acordo com uma nova pesquisa da Associação Nacional de Economia de Negócios (Nabe, na sigla em inglês). A entidade ainda alertou que a recuperação deve ser mais moderada do que a de períodos pós-recessão passados. A pesquisa com 44 membros da Nabe foi feita no mês passado e divulgada hoje no encontro anual do grupo, em St. Louis.

AE, Agencia Estado

12 de outubro de 2009 | 18h12

"A boa notícia é que esta longa e profunda recessão parece ter acabado e, com os mercados de crédito melhorando, a economia dos EUA pode retornar ao crescimento sólido no próximo ano sem se preocupar com inflação", disse a presidente eleita da Nabe, Lynn Reaser.

Mais de 80% dos prognósticos consultados pela associação acreditam que a recuperação econômica começou, com o Produto Interno Bruto (PIB) real devendo crescer 2,9% no segundo semestre de 2009 e 3% no próximo ano. Esse é um cenário mais otimista do que a pesquisa anterior, divulgada em maio, quando o grupo previu que a economia cresceria 2,7% em 2010.

De acordo com a Nabe, o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) não deve começar a elevar o juro da faixa atual de zero a 0,25% até o final da próxima primavera (começo de junho no Hemisfério Norte). Até o final de 2010, o juro básico do Fed deve estar em apenas 1,0%, segundo a previsão.

Os membros da Nabe esperam que o índice de desemprego, atualmente em 9,8%, suba para 10% no primeiro trimestre do próximo ano e recue para 9,5% até o final de 2010. Mais da metade dos consultados disseram que os empregos perdidos durante o recessão estarão totalmente recuperados até 2012, enquanto que um terço acredita que isso não acontecerá até 2013. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criseEUApesquisaNabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.