finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Nacionalização da YPF frustra planos da chinesa Sinopec

Segunda maior empresa petrolífera da China já teria acertado compra de 57% da YPF por mais de US$ 15 bilhões

HONG KONG / PEQUIM, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2012 | 03h04

A decisão da Argentina de nacionalizar a petrolífera YPF, controlada pela espanhola Repsol, frustrou anos de planejamento da chinesa Sinopec Group de comprar a companhia sul-americana, afirmaram fontes.

Profissionais de bancos disseram que a segunda maior companhia petrolífera da China manteve discussões com a Repsol sobre a compra de sua participação de 57 % na YPF. O site chinês Caixin.com citou uma fonte que afirmou que a Sinopec tinha acertado um acordo não vinculante de assumir a YPF por mais de US$ 15 bilhões.

Mas os planos da presidente argentina, Cristina Kirchner, de assumir o controle da YPF, que gerou revolta na Espanha e críticas internacionais, acabaram com qualquer esperança da estatal China Petrochemical Corp (Sinopec) selar um acordo, disseram as fontes.

"É muito complicado para qualquer grande empresa da China colocar tanto dinheiro, a menos que haja uma relação especial com o governo argentino, o que eu duvido", disse um profissional da área de fusões e aquisições de um banco que assessorou petrolíferas estatais em operações internacionais: "Esta é uma situação desafiadora para qualquer um dada a ação tomada pelo governo. Para mim, parece um suicídio político permitir agora que uma companhia chinesa controle a YPF logo depois do anúncio da nacionalização."

As fontes afirmaram que o interesse da Sinopec na YPF existia há pelo menos cinco anos.

Segundo o Caixin.com, a Sinopec estava em negociações com a Repsol para comprar a YPF apesar da ameaça de nacionalização, e o Financial Times publicou que a Repsol não informou a Argentina sobre as discussões com a petrolífera chinesa.

A Sinopec não comentou o assunto. O presidente do conselho da Repsol, Antonio Brufau, não quis comentar sobre o interesse da Sinopec na YPF, mas em uma entrevista a jornalistas na terça-feira afirmou que a companhia recebeu muitos contatos de interessados internacionais na petrolífera argentina.

Pré-sal. Em novembro passado, a Sinopec ampliou sua presença no pré-sal do Brasil ao fechar acordo de US$ 3,5 bilhões de dólares por uma fatia de 30 % na unidade brasileira da petrolífera portuguesa Galp . / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.