finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Nada mais justifica a manutenção da CPMF, diz FHC

Ex-presidente disse que a CPMF foi criada no seu governo, porque, na ocasião, havia escassez de recursos, e havia a necessidade de controlar a inflação e destinar mais recursos para a área da saúde

Elizabeth Lopes, da Agência Estado,

09 de agosto de 2007 | 14h19

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi categórico ao defender o fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que expira no final do ano e cuja a prorrogação é objeto de muita polêmica no Congresso Nacional. "Nada mais justifica a manutenção da CPMF, não no nível em que está", destacou FHC após participar de seminário organizado pelo PSDB na capital para discutir os fundamentos da economia e os desafios para o crescimento, nesta quinta-feira, 9.   FHC disse que a CPMF foi criada no seu governo, porque, na ocasião, havia escassez de recursos, e havia a necessidade de controlar a inflação e destinar mais recursos para a área da saúde. "Hoje, as condições mudaram e o Brasil tem abundância de recursos", comentou, ironizando em seguida: "O que tem é desperdício de recursos".   Na sua avaliação, o PSDB não deve concordar com alíquota de 0,38% e nem partir para discussão de dividir a contribuição entre Estados e o Governo Federal, como defendem algumas lideranças tucanas, como o governador de Minas Gerais, Aécio Neves.   "A discussão é outra, pois o povo precisa pagar impostos", afirmou. Ele acredita que esta deva ser a linha a ser adotada pelo PSDB nesta questão. "A CPMF deve ser reduzida já e voltada a nível de imposto controlador, caso for necessário", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fernando HenriqueCPMF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.