Nansei Sekiyu pode refinar 100 mil barris por dia

No valor de US$ 50 milhões, a compra da refinaria Nasei Sekiyu pela Petrobrás foi fechada em abril. Contou com a presença do presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli de Azevedo, em Okinawa, principal ilha do arquipélago localizado no sul do Japão. O controle da refinaria pertencia à Tonen General, subsidiária japonesa da empresa americana Exxon Mobil.Na realidade, a Petrobrás assumiu 87,5% da empresa. Os 12,5% restantes continuam com os japoneses da Sumitomo Corporation. Com capacidade para refinar 100 mil barris de petróleo por dia, a refinaria opera, ainda, com pouco mais de 50 mil. "Reestruturamos a empresa, que não possuía uma equipe de trading, logística e finanças; apenas fazia parte de um sistema", explica seu presidente, Osvaldo Kawakami, que disse ainda ter levado profissionais do Brasil para o Japão. "Em 90 dias já estava fora do vermelho. Hoje, mais empresas compram nossos produtos", contou.O petróleo é adquirido na Austrália, China, Sudeste asiático e até na África. A capacidade de armazenamento é de 9,6 milhões de barris e a refinaria conta com três piers para navios com até 97 mil toneladas e uma monobóia para aproximação de navios com até 280 mil toneladas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.