'Não a um mundo igual'

"Um mundo com muita educação de qualidade é um mundo sem pobres, mas não um mundo igual. Se quisermos acabar com a pobreza, vamos dar educação de muita qualidade. Agora, essa educação, num mundo absolutamente meritocrático, pode gerar uma desigualdade. Ela vai ser corrigida por um sistema de transferências. Na Suécia, a desigualdade antes dos impostos e das transferências do governo não é diferente da dos Estados Unidos. A desigualdade na Suécia fica muito menor porque há uma série de transferências. Certamente, o investimento em educação vai gerar muita riqueza, pouca pobreza e muita oportunidade para redistribuir renda. Isso é o que os nórdicos fazem. Eles dão educação de muita qualidade, deixam a desigualdade explodir, aí corrigem com um sistema de impostos e transferências." / L.G.G.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.