Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Não dá para avançar com Previdência enquanto pauta for denúncia, diz relator

Caso Janot apresente nova denúncia contra Temer, Câmara terá de discutir sua admissibilidade, paralisando os demais trabalhos legislativos

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2017 | 15h35

BRASÍLIA - A retomada das discussões sobre a reforma da Previdência deve ficar ainda mais difícil diante da perspectiva de apresentação de mais uma denúncia contra o presidente Michel Temer, admitiu ao Estadão/Broadcast o relator da proposta, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA). "Não dá para avançar com uma reforma previdenciária enquanto você tiver uma pauta do tipo vamos ou não acatar denúncia cujo resultado importa em permanência ou não do presidente da República", afirmou.

Caso a nova denúncia seja apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a Câmara dos Deputados se ocupará novamente da discussão sobre sua admissibilidade, paralisando os demais trabalhos legislativos. "É algo que nos preocupa", disse Maia.

O relator da reforma da Previdência ponderou também que o tema disputa atenção com a reforma política. "Tem que aguardar passar essa fase, que tem também a reforma eleitoral, para ver se é possível ou não é possível retomar a Previdência", disse. "Fico muito triste, porque já vem uma nova denúncia contra o presidente e de repente essa nova denúncia é mais uma pauta negativa que toma conta do Brasil."

Mesmo diante da expectativa de atraso ainda maior na tramitação, o relator tem discutido com a equipe econômica possíveis aperfeiçoamentos no texto. Arthur Maia sugeriu ao Ministério da Fazenda uma proposta para permitir que brasileiros que tenham atingido a idade mínima (65 anos para homens e 62 anos para mulheres) possam pedir a aposentadoria com benefício proporcional caso ainda não tenham completado os 25 anos de contribuição que o governo pretende exigir como mínimo a partir da reforma.

"Se a pessoa não completa os 25 anos, como que faz? Essa questão precisa ser melhor trabalhada, é apenas um ponto que realmente merece debate maior no plenário. Por exemplo, a pessoa se aposenta com 70 anos e 25 anos de contribuição ganhando 70% do salário de contribuição. (A reforma) poderia prever que, se contribuir 20 anos, recebe 60%, e se contribuir 15 anos, recebe 50%", explicou o relator.

Diante da preservação da regra de que ninguém pode receber benefício abaixo do salário mínimo, na prática a medida teria como efeito a exigência de um tempo menor de contribuição para aqueles trabalhadores com maior dificuldade de permanecer no mercado formal. Ainda assim, garantiria uma renda mínima.

ESPECIAL: Por que se preocupar com a reforma da Previdência?

Para Arthur Maia, essa é uma proposta razoável, já que ainda haverá a trava de uma idade mínima para a aposentadoria no Brasil. Segundo o relator, a Fazenda ficou de analisar a possibilidade e "fazer as contas". Enquanto isso, explica Maia, é preciso verificar na Câmara se há emendas que possam ser aprovadas no plenário para compor essa regra, já que não é possível mudar de forma unilateral um parecer já aprovado na comissão especial.

O relator frisou que ainda não tem nada fechado. "Não vou colocar nada no texto se não for negociado com todo mundo", disse.

Mais conteúdo sobre:
Reforma Previdenciária Arthur Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.