Não devemos perder nem meia hora com a inflação, diz Lula

Presidente afirma que, entre os países do BRIC, Brasil é a nação que tem o aumento de preços mais controlado

Adriana Fernandes, da Agência Estado,

03 de julho de 2008 | 14h16

Na tentativa de transmitir uma mensagem de tranqüilidade com relação ao aumento dos preços no Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira, 3, que "não há motivo para se perder nem meia hora de sono" com a inflação. "O que nós precisamos é estar atentos para que a inflação não fuja do controle."   Veja também: Inflação ajuda a arrefecer ritmo da indústria, diz CNI Entenda a crise dos alimentos    Entenda os principais índices de inflação    Lula disse que entre os países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), o Brasil é o que tem a inflação mais controlada. "No Brasil temos uma situação tranqüila", disse o presidente. Para ele, há no País especulação com as expectativas de inflação. "Aparece um ou outro que quer ganhar dinheiro especulando e inflacionando as expectativas inflacionárias", afirmou.   Ele também criticou a especulação no mercado futuro de petróleo no exterior. Essa especulação, segundo ele, é tão grande quanto o tamanho do consumo real de petróleo da China. "Tem uma China real e uma China irreal, que é essa especulação", disse. O presidente sugeriu que essa especulação pode estar sendo feita por fundos de pensão norte-americanos, que "quebraram a cara na crise do subprime".   O presidente Lula disse que pediu ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, e à sua equipe para que aprofundassem uma avaliação técnica sobre esse tema e sobre a alta dos preços dos alimentos. Ele também voltou a atacar os críticos ao biodiesel. "O Brasil não aceita que os dedos sujos de óleo e de carvão apontem para o biocombustível do Brasil." Lula fez o discurso durante o lançamento do plano de safra da Agricultura Familiar.

Mais conteúdo sobre:
InflaçãoLulaAlimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.