Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Apas
Apas

'Não é hora de aumentar imposto de itens que estão na mesa de todos', diz gestor da Apas

Setor de supermercados espera que governo do Estado de São Paulo revogue decreto sobre aumento do ICMS

Entrevista com

Rodrigo Marinheiro, gestor de Relações Institucionais da Apas

Márcia De Chiara, São Paulo

22 de fevereiro de 2021 | 05h00

A inflação dos produtos vendidos nos supermercados paulistas desacelerou em janeiro para 1%, após alcançar 2,2% em dezembro, segundo o Índice de Preços dos Supermercados, calculado pela Associação Paulista de Supermercados (Apas) e a Fipe. Esse movimento, no entanto, está longe de ser um ciclo de queda de preços, na avaliação do gestor de Relações Institucionais da Apas, Rodrigo Marinheiro.

Isso porque itens importantes como as carnes e os queijos dos tipos mais comuns como muçarela, prato e minas, que já tiveram aumento de ICMS em meados de janeiro, terão novo reajuste de imposto em de 1º de abril. “Não é hora de aumentar imposto de itens que estão na mesa de todos”, diz.

Como estão os preços dos produtos vendidos nos supermercados?

Em janeiro tiveram uma desaceleração. Fecharam com alta de 1%, depois de terem atingido 2,2% em dezembro. O resultado de janeiro poderia ter sido menor se não tivesse ocorrido o aumento da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em meados do mês. Até 14 de janeiro o ICMS das carnes estava em 4,5% e dos queijos muçarela, prato e minas em 12%. No dia 15, o ICMS da carne subiu para 4,7% e desses queijos para 13,3%. Se não tivesse tido esse aumento de imposto a alta de preço desses produtos teria sido bem menor. E no caso da carne suína, que houve deflação, teria sido mais significativa.

A desaceleração dos preços em janeiro é tendência?

No geral está longe de ser um ciclo de queda de preços. É mais uma acomodação das cotações que tem a ver com pressão menor das exportações e também com o fim do auxílio emergencial. As pessoas já não tem mais aquele ímpeto de consumo e pensam duas vezes antes de comprar. Mas temos no horizonte uma nova rodada de aumento de impostos para 1º de abril. A alíquota do ICMS sobre as carnes sobe para 5,5% e sobre os queijos, para 18%.

Os supermercados vão repassar esse aumento de imposto para o preço?

Desde o início da pandemia estamos com margem de lucro muito pequena. Não temos como absorver tudo. Por isso somos contra qualquer tipo de aumento de imposto, sobretudo neste momento de tanto desemprego. Não é hora de aumentar imposto de itens que estão na mesa de todos.

Como resolver essa questão?

Esses aumentos estão programados em decretos baixados pelo governo do Estado de São Paulo no fim de 2020. Nós esperamos que o governo volte atrás e revogue esses decretos. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.