Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Luis Macedo / Câmara dos Deputados

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

'Não estou falido', diz Eike em CPI do BNDES

Empresário, que já foi o 7º homem mais rico do mundo, diz que espera concluir as negociações com credores em até dez dias para retornar ao mercado e reconstruir seu patrimônio

Bernardo Caram, O Estado de S. Paulo

17 de novembro de 2015 | 12h12

O empresário Eike Batista afirmou nesta terça-feira, 17, que espera concluir negociações com credores em até dez dias para retornar ao mercado e reconstruir seu patrimônio. Segundo Eike, os últimos relatórios de levantamento patrimonial mostram que seu patrimônio, que já chegou a US$ 30 bilhões, está hoje negativo em US$ 1 bilhão.

Depois de ser considerado o sétimo homem mais rico do mundo em 2012 pela revista Forbes, Eike viu suas companhias entrarem em colapso e foi obrigado a ceder o controle das empresas a bancos. "Não estou falido, porque estou negociando com credores. Espero negociar nos próximos dez dias e espero comunicar que voltei ao mercado com um patrimônio possível para poder reconstruir", disse em depoimento à CPI do BNDES.

"O senhor é um fenômeno", afirmou em tom irônico o deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), um dos requerentes do depoimento. "Eu sei", respondeu prontamente Eike Batista. 

"Inverdade". O empresário Eike Batista afirmou que suspeitas de irregularidades em empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao Grupo EBX são uma "inverdade". Em seu depoimento, Eike disse que os recursos do banco de fomento usados pelo grupo, de cerca de R$ 10 bilhões, representam uma pequena parte dos investimentos totais dos projetos.

Aos deputados, o empresário afirmou que veio à comissão para explicar "uma grande inverdade em relação aos créditos do BNDES". "Como qualquer empresário do mundo, vai procurar recursos de várias fontes", disse, ao justificar o motivo dos empréstimos. Ele ressaltou que o BNDES não teve prejuízo em seus financiamentos feitos com o grupo.

Eike usou como exemplo o Porto de Açu, que teve R$ 3,3 bilhões de empréstimos do BNDES, enquanto investimentos próprios e de investidores estrangeiros somaram cerca de R$ 70 bilhões. Segundo ele, o porto hoje gera renda, empregos e facilita as exportações do País.

A convocação de Eike atende a quatro requerimentos de parlamentares. Um deles, de autoria do deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), argumenta que o empresário recebeu "volumes vultosos" de empréstimos do BNDES. Para o deputado, a concessão dos créditos ao grupo de Eike ocorreu em função de ter sido "privilegiado pela política de escolha de campeões nacionais", companhias selecionadas para se tornarem destaques em seus setores. 

"Em função das dificuldades que passaram a ser enfrentadas pelas empresas de Eike Batista, surge a necessidade de investigar em quais circunstâncias ocorreram os pagamentos relatados, bem como a real existência e de que forma o Banco oficial vem recuperando os recursos emprestados", diz o requerimento. 

A CPI do BNDES foi instalada no início de agosto pela Câmara dos Deputados, e tem  a finalidade de investigar supostas irregularidades envolvendo o BNDES, ocorridas entre os anos de 2003 e 2015, relacionadas à concessão de empréstimos suspeitos e prejudiciais ao interesse público.  

Tudo o que sabemos sobre:
eike batistabndes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.