Não há ativos podres em bancos públicos do País, diz Mantega

Ministro diz que bancos estão proibidos de comprar carteiras que não estejam saudáveis; 'eu me responsabilizo'

Fabio Graner e Leonardo Goy, da Agência Estado,

30 Outubro 2008 | 17h46

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, destacou nesta quinta-feira, 30, que não há ativos podres sendo negociados por bancos públicos brasileiros. "Não há ativos podres sendo negociados. Eu me responsabilizo por isso", afirmou. Ele enfatizou que os bancos públicos estão proibidos de comprar carteiras que não estejam saudáveis, sob pena de responsabilização de seus diretores. "Os bancos públicos não estão comprando carteiras com problemas. Na verdade, eles são mais rigorosos do que os bancos privados", reforçou.   Veja também: Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Lições de 29 Veja o que muda com a Medida Provisória 443 Veja as semelhanças entre a MP 443 e o pacote britânico Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise    Mantega lembrou que o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) deve ficar com algum "osso" (carteira de baixa qualidade), caso isso apareça. "Pode aparecer algum osso, e ele deve ficar com o FGC, que tem mais liberdade para recuperar uma carteira que é recuperável."   Na audiência pública na CAE, no Senado, ministro também afirmou que não gosta da idéia de promover leilões para a compra de instituições financeiras. De acordo com Mantega, isso levaria tempo, o que poderia fazer com que uma situação de problema de liquidez se tornasse definitivamente de insolvência.   ACC   Mantega afirmou ainda que as linhas de Adiantamento de Contratos de Câmbio (ACC) estão se normalizando e em cerca de mais uma semana deverão estar funcionando adequadamente. Ele informou que o governo, por meio dos bancos BNB e Basa, está disponibilizando R$ 1,350 bilhão para a agricultura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.